17.3 C
Rio Branco
21 julho, 2021 7:33 am

Obstetra sai em defesa de médica que tomou 3 doses de vacina: “Vocês têm ideia de quantas vidas ela já salvou?”

A situação da médica que tomou três doses da vacina chamou atenção depois que Secretaria Municipal de Saúde denunciou o ocorrido e será levado para o Ministério Público

POR MARIA FERNANDA ARIVAL, PARA CONTILNET

O caso da médica ginecologista que tomou três doses da vacina contra a Covid-19, Jaqueline Lola, chamou atenção após ser denunciado pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa). Segundo a Vigilância Municipal, como a profissional é médica, foi beneficiada pelo público de profissionais da Saúde com duas doses da Coronavac no início do ano, que foram aplicadas dia 26 de janeiro e 24 de março, respectivamente, e no último dia 6, ela tomou a dose única da Janssen.

A médica foi procurada pela equipe da ContilNet e preferiu não se pronunciar a respeito do assunto, mas foi apurado com a Semsa que o caso será levado ao conhecimento do Ministério Público, da Superintendência do Ministério da Saúde no Acre e dos órgãos de controle.

À vista da repercussão, a médica obstetra Vandrea Tomás saiu em defesa da colega declarando que a ginecologista foi diagnosticada duas vezes com a doença, em uma delas foi internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) por 15 dias e ao tomar as duas doses da vacina não obteve resposta do sistema imunológico.

Médica obstetra Vandrea Tomás saiu em defesa da colega/Foto: cedida

“A Jaqueline é mãe de quatro filhos. Também é médica. Aliás, excelente médica, exercendo suas funções no INTO e no SAMU, na linha de frente, no combate ao COVID-19, durante o pior período da pandemia. A Dra. Jaqueline está sendo caluniada e humilhada, de forma cruel, tendo seu rosto estampado e apontado como se fosse uma criminosa”, afirma.

E ela lista ainda as comorbidades da colega afirmando que ela após as duas primeiras doses de Coronavac, a médica foi diagnosticada com Covid-19 duas vezes, sendo inclusive internada em uma Unidade de Terapia Intensiva por duas vezes.

“O que ninguém sabe é que a dra. é hipertensa grave, asmática, obesa e sofre de trombofilia. Somente por esses fatores já poderia ter sido afastada mas preferiu continuar trabalhando. Ela foi infectada pelo vírus duas vezes, foi vacinada e, para seu azar, não foi imunizada”, diz trecho de mensagem disparada em redes sociais pela médica obstreta.

Ela questiona: “Pergunto a vocês: Qual é o crime em tomar a vacina novamente, visto q não estava imune com as doses anteriores??? Não tem o direito de tomar outra vacina, para poder exercer seu trabalho com mais segurança, sendo que é linha de frente??? Vocês tem ideia de quantas vidas ela já salvou???”

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.