35.3 C
Rio Branco
27 setembro 2021 2:41 pm

Avó de menino morto tinha feito pedido de guarda da criança, diz Defensoria Pública

Processo de guarda consensual de Miguel dos Santos Rodrigues começou a tramitar na quinta (29), porque mãe só teria entregue documentos no dia anterior, data em que crime teria ocorrido, segundo a polícia. Companheira e ela estão presas, e participação de 3ª pessoa é apurada.

POR G1

Última atualização em 03/08/2021 17:30

A avó materna de Miguel dos Santos Rodrigues, de sete anos — cujo corpo é procurado há quatro dias no Rio Tramandaí, em Imbé, no Litoral Norte do Rio Grande do Sul —, havia iniciado, no dia 8 de junho, um processo para obter a guarda da criança. A informação foi confirmada pela Defensoria Pública (DP).

A ação, no entanto, só passou a tramitar no Judiciário em 29 de julho, na quinta-feira da semana passada, quando o menino já havia sido dado como morto pela polícia.

Segundo a DP, isso ocorreu porque a mãe da criança, Yasmin Vaz dos Santos Rodrigues, de 26 anos, entregou o último documento necessário para a abertura do processo apenas um dia antes de comunicar à polícia o desaparecimento do filho.

Contudo, conforme a polícia, Yasmin confessou o crime após apresentar a versão do sumiço. Ela e a companheira, Bruna Nathieli Porto da Rosa, estão presas.

O advogado de defesa das suspeitas disse que só irá se manifestar nos autos do processo.

O Tribunal de Justiça (TJ) do RS disse que o processo de alteração consensual de guarda foi interposto pela DP às 16h03 do dia 29 de julho. “Quando da distribuição, não foi sinalizada qualquer urgência na tramitação”, afirma a corte. O TJ ainda sustenta que “as autoras são a mãe e a avó da criança e o processo foi sinalizado pela parte autora como segredo de justiça”.

A Defensoria Pública afirma que a avó procurou a sede da instituição no município de Casca, na Serra do RS. Na ocasião, a mulher foi orientada a reunir uma lista de documentos necessários para comprovar estar apta a receber o assessoramento do órgão, assim como a gratuidade dos serviços.

Como o processo tratava da concessão de guarda consensual da criança, Yasmin foi contatada. No dia 8 de julho, a mãe de Miguel teria enviado por e-mail parte da documentação que havia sido solicitada para a Defensoria de Tramandaí, no Litoral Norte.

A DP diz ter comunicado à mãe que eram necessários outros documentos, como comprovante de residência e de renda, para dar andamento ao processo. Isso só teria ocorrido no dia 28 de julho, quando o crime supostamente já teria ocorrido.

Na quinta (29), a Polícia Civil passou a considerar Miguel como morto, a partir da confissão de Yasmin.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
É permitida sua reprodução total ou parcial desde que seja citada a fonte. Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.