41.7 C
Rio Branco
21 setembro 2021 12:05 pm

Estudantes protestam em frente à Ufac em defesa da educação

11 de agosto é conhecido como dia do estudante no Brasil

POR MARIA FERNANDA ARIVAL, PARA CONTILNET

Última atualização em 11/08/2021 20:10

Nesta quarta-feira (11), dia do estudante, diversos movimentos estudantis se reuniram para um ato simbólico em defesa da educação e instituições federais de ensino. A concentração do ato aconteceu em frente à Universidade Federal do Acre (Ufac), às 16 horas.

O Movimento Lutas Permanente, responsável pelos atos online e presenciais que ocorreram este ano na capital, através de publicação no Instagram, afirma ser contra os cortes orçamentários que as universidades e institutos federais estão sofrendo, por isso, o ato acontece em defesa das universidades e contra o sucateamento da educação.

Foto: Junior Manchineri

De acordo com Moisés Lobão, secretário geral da Associação dos Docentes da Universidade Federal do Acre (Adufac) e professor do Centro de Ciências Biológicas e da Natureza (CCBN) da Ufac, vários movimentos estudantis tem participado da construção dos atos, dentre eles o Movimento por Universidade Popular (MUP), a UJC, Juventude do PT, Maias, Juventude Rebeldia e vários centros acadêmicos da Ufac.

“Estamos denunciando os ataques à educação, à ciência e à classe estudantil. Vamos pautar os problemas internos da Ufac envolvendo o Ensino Remoto Emergencial e a falta de diálogo da administração superior com a comunidade acadêmica”, explica Lobão.

Foto: Junior Manchineri

De acordo com o presidente do Centro Acadêmico de Ciências Sociais, Junior Manchineri, o professor Lobão junto aos estudantes e outros coletivos presentes entregaram uma carta para a Reitoria da Ufac referente à possibilidade de voltar às aulas presenciais.

“A carta referente ao diálogo mais transparente sobre a volta às aulas pós pandemia foi assinada pelos Centros Acadêmicos de Ciências Sociais, Jornalismo, Direito e Psicologia. É importante a participação ativa dos estudantes em relação ao que vem acontecendo na Universidade, pois faz falta a participação de mais movimentos estudantis e dos acadêmicos nos atos nas ruas para reivindicar nossos direitos. As pessoas que estejam interessados em saber mais sobre o movimento, podem acompanhar pela página no Instagram do Movimento Lutas Permanente”, afirma.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
É permitida sua reprodução total ou parcial desde que seja citada a fonte. Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.