23.3 C
Rio Branco
16 setembro 2021 9:05 am

Gehlen diz que Gladson precisa abrir o olho e secretários querem prejudicá-lo: “Meia dúzia de inúteis”

POR NANY DAMASCENO, DO CONTILNET

Última atualização em 24/08/2021 19:51

A denúncia feita pelo deputado Edvaldo Magalhães (PcdoB) foi reforçada pelo deputado Gehlen Diniz (Progressistas). Em seu discurso, o deputado também repudiou a operação que culminou na prisão de 10 marceneiros no Alto Acre na última semana.

“Aquilo não acontece só em Brasileia, mas em todo Acre. Os marceneiros trabalham como se estivessem cometendo um crime. Aquilo dói, é uma covardia com o povo acreano. Vivemos no meio da Floresta Amazônica e, hoje, se um pai de família derrubar uma árvore para construir a casa, vai preso”.

O parlamentar, aliado do governador Gladson Cameli, disse que a ‘política da florestania’, implantada nos governos petistas, é prejudicial. “Essa  ‘enganagem‘ (sic) perversa implantada no governo petista ainda não foi desmontada pelo atual governo, esse problema precisa ser resolvido”, afirmou Diniz.

O aliado também aproveitou para alertar o governador sobre seus secretários. Sem citar nomes, Gehlen disse que Gladson está sendo usado por muitos como trampolim político e essas pessoas podem colocar o trabalho do chefe do Executivo a perder, e são “meia dúzia de inúteis”.

“Muito me preocupa hoje o que está acontecendo no Governo Cameli. Muito secretário, que será candidato, já está em campanha e virando as costas para o governador, e os que não são candidatos, são cabos de algum. Quem perde é o Governo e a população. Governador, abra os olhos! Ainda dá tempo. Tudo o que o senhor fez pelo Acre durante a pandemia, pela segurança e tudo mais, está sendo jogado por água abaixo”, aconselhou.

Segundo Diniz, muitos secretários não atendem os parlamentares e se recusam a dar informações. “Odeiam os deputados e fazem de tudo para dizer não aos deputados. Sou Governo, sou Gladson, mas vou apontar os erros”, acrescentou.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
É permitida sua reprodução total ou parcial desde que seja citada a fonte. Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.