26.3 C
Rio Branco
15 setembro 2021 9:01 am

Governadores de todo país fazem reunião para discutir a defesa da democracia

Encontro foi marcado para debater temas econômicos, mas também pautará conjuntura política, diz Wellington Dias (PI). Até o início da reunião, 25 dos 27 gestores locais haviam confirmado presença

POR G1 DF

Última atualização em 23/08/2021 12:19

Representantes de 24 estados e do Distrito Federal iniciaram uma reunião nesta segunda-feira (23) para debater, entre outros pontos, a escalada da crise entre os poderes e a defesa da democracia. A reunião começou por volta de 10h30 e ainda não havia terminado até a última atualização desta reportagem.

Alguns governadores estão presencialmente no Palácio do Buriti, sede do governo do Distrito Federal, mas a maioria participa por videoconferência.

A reunião do Fórum Nacional de Governadores acontece três dias após o presidente Jair Bolsonaro pedir o impeachment do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF) (veja detalhes abaixo). Também na sexta (20), a Polícia Federal deflagrou operação que investiga a incitação a atos violentos e ameaçadores contra a democracia.

Inicialmente, estava prevista a presença de 24 governadores no evento. Os gestores do Paraná, Tocantins e Rio de Janeiro ainda não tinham confirmado participação na reunião.

Estão presentes na reunião 24 representantes dos estados e do Distrito Federal, destes, 23 governadores e dois vice-governadores (Paraná e Rio Grande do Norte).

Dos 27 governadores, apenas dois não compareceram nem enviaram representantes:

O governador do Tocantins, Mauro Carlesse (PSL);
O governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC).

O coordenador do fórum, o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), afirmou ao G1 que inicialmente a agenda prioritária do encontro seria a pauta econômica, com destaque para a reforma tributária. Mas, em meio à tensão, o grupo aproveitará a reunião para marcar posição sobre o momento político.

“O fórum já conseguiu, por meio de líderes estaduais da Câmara e do Senado, fazer crescer uma compreensão mais racional da conjuntura, e isso ajuda a criar um ambiente onde a gente possa dialogar com o Judiciário. Não é razoável é o rumo que o país está tomando”, afirmou Dias.

O governador diz que ainda não há “uma proposta resolvida” sobre esse posicionamento. “Mas há um caminho traçado que é o de se posicionar e mostrar que a gente tem um pensamento médio sobre a conjuntura”, afirmou.

Na última segunda, frente à escalada de tensões entre os poderes federais, governadores de 13 estados já tinham divulgado uma nota de solidariedade ao STF.

“A vantagem do fórum é que, dos 27 governadores, quase todos estão comparecendo. Temos a presença de quem é governo e de quem é oposição. E a crise é política, então há necessidade de a gente ter, por parte dos líderes, a compreensão de que esse ambiente de tensão só piora a crise no Brasil”, prosseguiu Dias.

O governador do Piauí reforçou ainda que a crise causa “dificuldades” e efeitos na economia, criando um “ambiente de insegurança” aos investidores.

 

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
É permitida sua reprodução total ou parcial desde que seja citada a fonte. Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.