41.7 C
Rio Branco
21 setembro 2021 11:10 am
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Homem que matou o pai após deixá-lo amarrado embaixo da cama por seis dias é condenado a mais de 23 anos de prisão

Crime aconteceu após discussão entre pai e filho. Caso aconteceu em Candeias do Jamari em agosto de 2018

POR G1 RO

Junivaldo Alves dos Santos, acusado de matar o próprio pai, foi condenado a 23 anos, nove meses e vinte e cinco dias de prisão em regime inicialmente fechado. O julgamento aconteceu no Tribunal do Júri de Porto Velho na última sexta-feira (20).

De acordo com a ação, o crime aconteceu em agosto de 2018, após uma discussão entre pai e filho. Motivado pelo desejo de matar, Junivaldo golpeou a cabeça do pai e o amarrou com fios de eletricidade.

O homem foi condenado pelo crime de homicídio qualificado, mediante motivo fútil e através de um método cruel, impossibilitando Cícero de se defender. A pena ainda foi agravada porque Junivaldo é descendente da vítima.

O G1 tenta contato com a defesa do condenado.

Relembre o caso

O crime aconteceu em agosto de 2018. A polícia foi chamada à residência da vítima por moradores próximos que perceberam a ausência de Cícero e começaram a sentir um mal cheiro vindo da casa.

O homem foi encontrado em um quarto, embaixo da cama. Inicialmente, a polícia acreditou que o idoso estivesse morto, mas a perícia constatou que ele ainda respirava.

A vítima chegou a ser socorrida com vida ao hospital João Paulo II, em estado grave, e passou cerca de quatro dias internado em uma Unidade de Terapia Semi-Intensiva (Semi-UTI) antes de morrer.

Junivaldo contou à polícia que matou o pai após uma discussão, quando o empurrou, fazendo o idoso bater a cabeça na cama. O filho ainda bateu na cabeça do pai com um pedaço de madeira e o empurrou para debaixo da cama. Ele teria mantido o pai trancado e imobilizado por seis dias.

Vizinhos que suspeitavam do crime disseram na época à polícia que o homem continuou trabalhando normalmente em uma loja de confecções da família durante todo esse tempo.

O laudo tanatoscópico indica que Cícero morreu de traumatismo crânio encefálico que evoluiu para sepse e insuficiência renal.

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.