28.4 C
Rio Branco
17 setembro 2021 10:26 pm
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

PF aposentado é liberado horas após ser visto dando socos na ex-esposa achada morta

Segundo delegado, o PF aposentado foi liberado porque um laudo inicial do IML apontou como inconclusiva a causa da morte. Corpo da mulher foi achado na varanda da casa de policial.

POR G1

O policial federal aposentado preso no início da manhã após ser flagrado debruçado e dando socos sobre o corpo da ex-esposa, nesta quarta-feira (4), foi liberado da Central de Polícia no fim da tarde em Porto Velho.

Segundo a Polícia Civil, o PF foi liberado porque um laudo inicial do Instituto Médico Legal (IML) deu a causa da morte como inconclusiva. Foram solicitados mais exames pela delegacia, para apontar a causa da morte, e esse exame leva mais tempo para ficar pronto.

Enquanto o novo exame não sair, o policial deve aguardar em liberdade.

A defesa informou em nota que os fatos serão “devidamente apurados durante a instrução processual” e que os depoimentos das testemunhas foram necessários para o esclarecimento da fatalidade, e acrescentou que ainda será “importante aguardar o laudo pericial para legitimar todos os tópicos da defesa técnica”.

Ainda conforme a polícia, se o próximo laudo apontar que Rosilene Chaves de Oliveira foi assassinada, haverá um pedido de prisão preventiva contra o suspeito.

Corpo na varanda

Rosilene foi achada morta nesta quarta-feira na varanda da casa do suspeito, na avenida Calama, bairro Aponiã. A vítima estava nua e o suspeito foi visto debruçado sobre a vítima e dando socos na região do tórax.

Quando a Polícia Militar(PM) chegou ao endereço, o PF aposentado alegou que estava fazendo procedimentos agressivos porque a vítima teria desmaiado durante a relação sexual e ele fazia massagem cardíaca.

Medida protetiva

Segundo informações do 1º Juizado da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, a medida protetiva foi concedida à vítima no dia 20 de junho de 2020, durante plantão judicial.

Três dias depois, a Justiça também determinou a suspensão do porte de arma de fogo do suspeito.

Rosilene e o policial federal ficaram juntos por cerca de 25 anos. Há cerca de um ano eles se separaram, no entanto, amigos afirmam que o suspeito sempre ligava para Rosilene e, em algumas vezes, fazia ameaças.

Vizinhos relataram à Polícia Militar (PM) que quando o casal estava junto havia briga com frequência.

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.