25.4 C
Rio Branco
14 outubro 2021 2:08 am

180 quilos: o maior coração já registrado pela ciência

Em 2015, pesquisadores do Canadá se mobilizaram para coletar o órgão recordista — que teve de ser levado de guincho

POR AVENTURAS NA HISTÓRIA

Última atualização em 27/09/2021 15:37

Culturalmente, estamos acostumados a compreender que uma pessoa de “coração grande” trata-se de um sujeito amigável, receptivo e empático. Contudo, quando levado ao sentido literal, o maior coração já visto e registrado pela literatura científica passa longe disso.

A detentora de tal título é a Balaenoptera musculus, popularmente conhecida como baleia-azul. Ela não apenas é o maior animal já visto no planeta, como seus órgãos internos atingem recordes impressionantes de comprimento e peso — chamando atenção de pesquisadores do mundo inteiro, que raramente podem estudar o material tão difícil de recolher.

Uma destas oportunidades surgiu em 2015, quando uma baleia-azul foi encontrada sem vida em uma praia de Newfoundland, no Canadá. Mesmo com a descoberta trágica, os pesquisadores do Museu Real de Ontario (ROM) se mobilizaram para dissecar o animal o quanto antes, buscando coletar o máximo de órgãos possível para estudos, como noticiou a BBC na época. 

Equipe aloca coração de baleia-azul em guincho / Crédito: Divulgação / Jacqueline Miller

 

Retirada do coração

O processo de coleta já foi impressionante o suficiente para mensurar o tamanho da descoberta; de acordo com a técnica em mastozoologia do museu, Jacqueline Miller, somente a abertura da cavidade peitoral mobilizou uma equipe para entrar dentro do bicho e realizar os cortes, com a pesquisadora especificamente enfiada no animal até a altura da cintura.

“Precisamos de quatro pessoas para empurrar o coração através de uma ‘janela’ que abrimos entre as costelas e a lateral da cavidade peitoral. […] Eu esperava encontrar um órgão do tamanho de um carro. Mas acho que esse coração tem o mesmo tamanho de um desses carrinhos de golfe”, relatou Miller á BBC.

Após a extração do corpo, o pesado órgão foi deslocado para uma lona, que teve suas extremidades unidas para servir de sacola, enquanto o órgão era conduzido para o laboratório local com um guincho, sendo o primeiro coração de baleia-azul coletado a tempo de ser conservado perfeitamente com as características originais.

Imagem registra o coração da baleia-azul / Crédito: Divulgação / Jacqueline Miller

 

Volume da batida

Ao aferir o peso do principal órgão do sistema circulatório, o recorde de maior coração conhecido pela humanidade foi confirmado, atingindo 180 quilos. Na época da descoberta, os pesquisadores disseram que o coração ainda estava saudável.

Apesar do tamanho, a aorta, principal artéria do corpo, tinha um espaço menor do que o esperado pela equipe, com uma circunferência suficiente para abrigar uma cabeça humana. Para preservar o coração, os cientistas utilizaram 3,8 mil litros de formaldeído para retardar a decomposição e iniciar o processo para conservar a amostra.

Após ter amostras coletadas para análise no curso de anatomia da Lincoln Memorial University, o órgão foi catalogado e exposto no museu de Toronto, junto de seu esqueleto, este cuidadosamente retirado na ocasião do resgate.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
É permitida sua reprodução total ou parcial desde que seja citada a fonte. Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.