33.3 C
Rio Branco
8 setembro 2021 5:38 pm

Jornalista acreano Pitter Lucena lança livro de poesias em Brasília e anuncia mais produções

Pitter Lucena fala um pouco de sua vida e anuncia outras quatro produções literárias; o atual chama-se “Akiryanas”

POR TIÃO MAIA, PARA CONTILNET

Última atualização em 08/09/2021 17:27

Jornalista radicado em Brasília há quase duas décadas, o acreano Pitter Lucena, de 56 anos, acaba de lançar o livro “Akiryanas, fragmentos de um tempo vazio”, essencialmente de poesia. “São pequenos textos de pensamentos diversos. Situações cotidianas, onde observamos o tempo e espaço”, define o autor.

Segundo ele, o livro dialoga com o passado, o presente e o futuro. Com o passado, ao evocar akiryanas, palavra que, segundo os estudiosos, advém da língua indígena Apurinã, qual seja, Uwa’kürü, Uákiry, Aquiry/Akiry e, finalmente, Acre. O autor, portanto, retorna à ancestralidade, ao passado mais profundo, ao paraíso violentado e perdido. “Fragmentos de um tempo vazio” também aplica-se, perfeitamente, aos nossos dias, de crise, econômica e moral, de pandemia, de obscurantismo.

Pitter Lucena anuncia mais produções. Foto: Reprodução

“O futuro, aqui, é o que se apresenta como esperança, como sonho, que é o que permite, de certa forma, o ser humano a se reinventar e a seguir em sua caminhada”, disse o autor.

Lucena diz que a maioria de seus textos se relaciona ao Acre. “O Acre será sempre uma fonte de inspiração. É minha terra natal, meu berço. Tenho orgulho de dizer que sou acreano do pé rachado”, disse. “Escrever, para nós jornalistas, é um hábito. Uma necessidade. Uma vontade, um vício. Quero compartilhar pensamentos, sentimentos”, disse o autor.

Repórter de destacada atuação no Acre, inclusive ganhador de prêmios de jornalismo como “José Chalub Leite”, Lucena saiu de em janeiro de 2005. Foi em busca de tratamento de melhores condições de saúde de qualidade de vida para seu filho Leonardo, portador de paralisia cerebral.

Uma das obras de Pitter. Foto: cedida

“No Acre, não havia tratamento adequado para aquela situação”, disse ao constatar que a doença da então criança deixada na porta de sua casa, no Xavier Maia, era irreversível. “A gente tem sentimentos fortes com essa terra chamada Acre. A gente sai do Acre, mas o Acre não sai da gente. É incrível isso. Aqui em Brasília temos uma regra para quem vier nos visitar. Será bem vindo quem trouxer farinha de Cruzeiro do Sul e Açai de Feijó. É tipo um passaporte. A bolacha Miragina, se alguém trouxer, ganhará pontos extras”, disse.

Pitter Lucena diz que, após 15 anos fora do Acre, percebe a situação não mudou muita coisa não. “A politicagem continua sendo o forte”, define. “Sobre o governo Bolsonaro, acho que parte do povo brasileiro deu um tiro no pé elegendo uma criatura que não tem visão política para o desenvolvimento do país. Bolsonaro é pequeno para o Brasil. Sobre o governo Cameli, observo que não está sendo perseguidor como o anterior. Tem certa leveza na condução do executivo acreano”, definiu.

Depois de trabalhar 15 anos no Congresso Nacional, o jornalista agora de produção freelancer. Foto: cedida

O jornalista tem mais quatro livros em produção. “Escrevo quase todos os dias. O Livro Historiografia do Acre e outros causos terá dois volumes. “Um outro livro é sobre o meu filho Leonardo, que deverá ficar pronto até o final do ano que vem. Ainda não tem título”, comentou.

Um terceiro livro seria sobre o tempo de caserna no Exército Brasileiro em 1984, último ano da ditadura militar. “Penso num outro sobre ditos populares de raízes tipicamente do Acre. Seu linguajar que o resto do país não entende direito”, disse.

Há ainda um projeto sobre um livro com o título “Massacre em pando”. “Este está pronto, faltando apenas alguns ajustes. É um livro denúncia contra o presidente Evo Morales em parceria com a UnoAmérica, uma instituição de direitos humanos com a participação de vários países da América Latina”, contou.

Depois de trabalhar 15 anos no Congresso Nacional, o jornalista agora de produção freelancer. “Tenho uma empresa de marketing e vou vivendo segundo as circunstâncias. Penso um dia em voltar para o Acre. É minha casa, meu berço”, disse.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
É permitida sua reprodução total ou parcial desde que seja citada a fonte. Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.