26.3 C
Rio Branco
13 outubro 2021 10:46 am

“Não dá pra se controlar!”: O que é a cultura do estupro e porque homens nunca são responsabilizados pelas violências?

67% dos brasileiros acreditam que a violência sexual se dá em decorrência dos homens não “se controlarem” (Pesquisa: Violência Sexual – Percepções e comportamentos sobre violência sexual no Brasil, realizada pelo Instituto Patrícia Galvão e pelo Instituto Locomotiva, 2016)

POR KAHUANA LEITE, PARA CONTILNET

Última atualização em 29/09/2021 11:01

A primeira vez que me deparei com esse termo “cultura do estupro” foi procurando entender como e por quais motivos homens se sentem autorizados a violentar sexualmente corpos e existências de mulheres. Como alguém pode se ver no direito de tocar sem consentimento o corpo de uma mulher e responsabilizá-la por isso? É absurdo, mas o absurdo é naturalizado por um conjunto de práticas que legitimam e estimulam a tolerância à violação sexual contra as mulheres.

A cultura do estupro, como o próprio nome já diz, é enraizada na forma como nos constituímos na sociedade, lugares destinados de subalternidade e lugares de poder, no ápice o homem cisgênero, branco e heterossexual, o famoso “machão” que se afirma a partir de uma série de posturas baseadas na reprodução de atitudes hostis tidas como “naturais” e “instintivas”.

Essa cultura patriarcal e misógina, opera culpabilizando as vítimas, os abusos e assédios são tomados como uma “punição”, logo, merecida (SOUSA, 2017). Punidas pelo quê? Andar na rua sozinha, pela roupa que usa, por ter sido simpática com os colegas de trabalho, não se portar como “deveria”… o lugar destinado à todas que se identificam como mulheres em nossa sociedade é o silenciamento, a não autonomia sobre suas vozes e corpos.  Nessa semana, Dayane Mello no reality “A fazenda” foi assediada em rede nacional, uma ciclista em Palmas (PR) foi assediada a luz do dia, em Rio Branco, desde 2020 casos de assédio nas instituições públicas de saúde, estão sendo denunciados. Até quando?

Um em cada 3 brasileiros acreditam que em casos de estupro (DATA FOLHA, 2016), por exemplo, mulheres são as responsáveis pelas violências sofridas. É na lógica de “estava pedindo”, “olha a roupa”, “onde já se viu andar na rua tarde”, que se perpetuam relações que subjugam mulheres, principalmente, mulheres negras e indígenas, ainda que haja um árduo trabalho (político) de apagamento de nossa história, nosso país se ergueu na violência e exploração sexual destas.

Conforme o Instituto Patrícia Galvão e o Instituto Locomotiva (2016), 67% dos brasileiros acreditam que a violência sexual acontece porque homens são incapazes de controlarem seus “instintos” e “impulsos”. Esse é um lugar que autoriza e os desresponsabilizam por suas ações, ou seja, é permitido em nossa cultura que homens façam o que bem entendem sobre corpos de mulheres, sejam elas cisgêneros ou trans. Parafraseando, a psicóloga e filósofa Valeska Zanello, precisamos problematizar as masculinidades e o quão adoecida é a forma que homens se constituem homens em nossa sociedade,  ao indagar “o que ele poderia fazer?” é simples: nada.”

Referências

DATAFOLHA. Um em cada 3 brasileiros culpa mulher em casos de estupro, diz Datafolha. 2016. Disponível em: http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2016/09/um-em-cada-3-brasileiros-culpa-vitima-em-casos-de-estupro-diz-datafolha.html

INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO. Percepções e comportamentos sobre violência sexual no Brasil (Instituto Patrícia Galvão/Locomotiva, 2016). Disponível em: https://dossies.agenciapatriciagalvao.org.br/dados-e-fontes/pesquisa/percepcoes-e-comportamentos-sobre-violencia-sexual-no-brasil-instituto-patricia-galvaolocomotiva-2016/

SOUSA, R. F. de. Cultura do estupro: prática e incitação à violência sexual contra mulheres. Rev. Estud. Fem. 25, 1, Jan-Apr, 2017. Disponível em:  https://www.scielo.br/j/ref/a/6pdm53sryMYcjrFQr9HNcnS/abstract/?lang=pt

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
É permitida sua reprodução total ou parcial desde que seja citada a fonte. Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.