29.3 C
Rio Branco
22 setembro 2021 9:06 pm

Servidora pública encontra argentina de 14 anos que recebeu medula óssea doada por ela: ‘cumpri minha missão’

Joseli Evelin doou medula no ano passado e, depois de um ano e meio, pôde conhecer Martina Garcia, de 14 anos, que lutava contra uma leucemia na Argentina e recebeu o transplante.

POR G1

Última atualização em 07/09/2021 13:59

A servidora pública Joseli Evelin Guia Halmenschiager, de Campo Grande, teve um encontro emocionante com a estudante argentina Martina Garcia, de 14 anos. Joseli doou a medula óssea que ajudou no tratamento de leucemia de Martina, hoje curada da doença. A conversa foi por meio de ligação por vídeo, flagrada pelas equipes do G1 e da TV Morena (CLIQUE AQUI e veja o vídeo).

A servidora pública conta que queria doar sangue, mas não pôde por pesar menos de 55 kg. Ela, então, se cadastrou para doar medula. Em 2019, Joseli recebeu a ligação do Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome) e realizou a doação em 2020. Até aquele momento, ela só sabia que doaria para uma pessoa de fora do país.

“Fico muito grata a Deus. Quando Ele manda a gente para a Terra, temos um propósito, uma missão. Eu acho que ele fez eu cumprir a minha, acredito que ele me fez para esta razão”, afirma Joseli, emocionada.

Um ano e meio depois da doação, Martina e Joseli puderam se conhecer, por chamada de vídeo. A primeira conversa foi rápida, por conta da dificuldade com a língua. Na segunda, a brasileira contou com a ajuda de um amigo para ajudar na tradução.

A adolescente estava acompanhada da mãe, Paola, que agradeceu a doação da servidora pública. Todas se emocionaram na conversa e trocaram elogios, dizendo que uma faz parte da família da outra. “Foi emocionante e muito gratificante saber que fiz minha parte e ajudei a realizar um sonho daquela família”, diz Joseli.

A mãe da receptora da medula conta que o procedimento foi um sucesso e que Martina está muito bem. A menina foi diagnosticada com Leucemia em 2018 e, até conseguir uma medula, passou por um longo processo. “Em dezembro do ano passado os médicos falaram que a quimioterapia não iria resolver e teríamos que buscar o transplante”, explica Paola.

Em fevereiro, a família recebeu a notícia de que entre todos os cadastrados, somente seis tinham alguma chance de serem compatíveis, sendo que nenhum desses era da Argentina. Joseli estava na lista e, após todos os exames, foi a única compatível.

“Muita gratidão. Foi sofrimento demais, mas hoje a Martina está bem graças a isso”, celebra a mãe da adolescente.

Como doar medula

Para ser doador de medula óssea, é preciso ter entre 18 e 55 anos. Basta ir até um hemocentro e retirar uma pequena amostra de sangue. O material é analisado para retirar as características genéticas, que são cruzadas com os dados de pacientes que necessitam de transplante para determinar a compatibilidade.

Em pessoas que não sã da mesma família, a probabilidade de encontrar um doador é de uma em 100 mil. Hoje, no Redome, são mais de 5 milhões de cadastrados, sendo 180 mil em Mato Grosso do Sul. É importante que as pessoas que de cadastrarem mantenham o endereço atualizado, para serem encontrada facilmente no caso de alguém compatível ser encontrado.

“É uma vida que está esperando pela sua boa ação, não tem que ter medo. Façam sempre a atualização do cadastro, pois uma vida pode depender disso”, finaliza Joseli.

Em Campo Grande, o Hemosul fica na Avenida Fernando Corrêa da Costa, 1304, no Centro. O telefone é o (67) 3312-1500.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
É permitida sua reprodução total ou parcial desde que seja citada a fonte. Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.