33.3 C
Rio Branco
13 outubro 2021 3:17 pm

Acre sai do alerta máxima por doenças causadoras de diarreias, diz boletim

Sesacre intensifica observações em municípios com o registro de maior índices de casos e diminui notificações

POR TIÃO MAIA, PARA CONTILNET

Última atualização em 08/10/2021 14:34

O último alerta epidemiológico de doenças diarreicas agudas, emitido pela Secretaria de Saúde do Estado do Acre (Sesacre), mostra cenário evolutivo em relação aos índices de casos. O Acre vinha de um Alerta Máximo em relação a este tipo de doença por apresentar expressivo aumento das notificações de diarreias.

O aumento foi registrado com um aumento de 24,95% na semana epidemiológica (SE) 28, entrando em Alerta Máximo na semana 32, este mês. No último boletim, o Acre sai do estado de Alerta Máximo e se classifica para situação de Alerta, com notificações dentro do padrão esperado para o período.

O novo Alerta Epidemiológico emitido apresentou um equilíbrio das notificações, fazendo com que o Acre saia do estado de Alerta Máximo e se classifique para situação de Alerta, com notificações dentro do padrão esperado para o período. De acordo com o documento: “Na SE 35 houve uma diminuição de 12,7% (-146 casos) comparado à SE 34, na SE 36 houve um aumento de 1,4% (14 casos), na SE 37 houve um aumento de 6,7% (73 casos) comparado à SE 36, na SE 38 houve uma diminuição de 5,7% (-62 casos) comparado à SE 37, e na SE 39 houve uma diminuição de 3,6% (-37 casos) comparado à SE 38”.

Até a semana epidemiológica 39 (03/01/2021 a 02/10/2021) foram notificados 20.937 casos de Doenças Diarreicas Agudas no estado do Acre. Se comparado ao mesmo período do ano de 2020 (13.971 casos), houve um aumento de 33,3% no número de casos.

O governo do Acre, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), intensificou as ações de vigilância nos municípios que apresentaram altos índices de diarreia. Desde o início da desta semana, uma equipe da Sesacre se deslocou até a regional do Juruá para realizar assessoria técnica nos municípios de Cruzeiro do Sul, Mâncio Lima e Rodrigues Alves.

Além disso, o Estado ativou a Sala de Situação para monitoramento dos casos, que é composta por representantes do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs), Núcleo de Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar, Núcleo de Vigilância Epidemiológica Hospitalar, Vigilância em Saúde e suas Vigilâncias específicas (ambiental, epidemiológica, sanitária), Laboratório Central de Saúde Pública do Acre, Vigiagua, Atenção Primária, Saúde das Prioritárias – Indígena, Saúde da Mulher e Saúde da Criança.

As Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar (DTHA) constituem uma síndrome geralmente caracterizada por diarreia, dor abdominal, febre, náuseas ou vômitos atribuídos à ingestão de água ou alimentos contaminados por bactérias, vírus, parasitas, toxinas ou produtos químicos.

As manifestações clínicas dependem de cada patógeno e muitos deles produzem os mesmos sintomas, o que torna o diagnóstico clínico um pouco difícil. O período de incubação também é variável, mas usualmente é curto, de 1 a 7 dias.

Os agentes etiológicos, que causam a doença, mais frequentemente associados às DTHA são os de origem bacteriana, predominante no Brasil as DTHA causadas por Salmonella spp., Escherichia coli e Staphylococcus aureus.
O tratamento depende da sintomatologia, mas, em geral, trata-se de doença autolimitada, por isso, fundamenta-se em medidas de suporte para evitar e tratar a desidratação e o agravamento.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
É permitida sua reprodução total ou parcial desde que seja citada a fonte. Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.