33.3 C
Rio Branco
13 outubro 2021 11:09 am
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Com diferentes costumes e na luta para manter tradições, MS tem 10 etnias indígenas e maior reserva do país

Atualmente, o estado tem a segunda maior população indígena do país, além de uma das mais diversas em termos de etnologia.

POR G1

Foi em 1970, ao fim da guerra do Paraguai, ou guerra da Tríplice Aliança, que Mato Grosso do Sul tornou-se palco de intensos conflitos entre fazendeiros e indígenas. Atualmente, o estado tem a segunda maior população indígena do país, além de uma das mais diversas em termos de etnologia. São pelo menos 10 etnias indígenas distribuídas por terras sul-mato-grossenses, com diferentes costumes, lutando para manter tradições e retomar territórios.

Pesquisadora da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) e doutora pela Universidade de São Paulo, Léia Teixeira Lacerda dedicou boa parte da vida aos estudos relativos à população indígena e explica que entre os povos tradicionalmente habitantes do estado e os que têm ressurgido e/ou identificado como índios estão os Atikum, Guarani, Kaiowá e Ñãndeva, Guató, Kadiwéu, Kamba, Kinikinawa, Ofaié, Terena e Xamacoco.

“Desses povos, apenas os Kadiwéu detêm o usufruto a terra em Porto Murtinho (MS), fronteira do Brasil com o Paraguai. Além da reserva indígena de Dourados, com os Terena e Guarani-kaiowa, mas até estes lutam para reaver territórios tradicionais. Existem, ainda, aqueles que sequer ocupam territórios próprios, porque tiveram que migrar de suas regiões de origem”, explica a pesquisadora. 

Dança do Bate Pau (ihiyoti evoi kipâé) – Limão Verde - 1999. — Foto: Arquivo pessoal
Dança do Bate Pau (ihiyoti evoi kipâé) – Limão Verde – 1999. — Foto: Arquivo pessoal

Segundo a Léia, os Guarani – Kaiowá tem uma população superior a 25 mil pessoas, que vivem em vinte e seis terras indígenas, na região de fronteira Brasil/Paraguai. Já os Guató possuem aldeia na região do Pantanal, com cerca de 400 pessoas. Os Kadiwéu são cerca de 1.400 pessoas na maior área indígena fora da Amazônia Legal (538.536 hectares), localizada na Serra da Bodoquena.

Os Ofaié tem uma população de cerca de 58 pessoas, alocadas em uma reserva na região de fronteira entre Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná. Da etnia Terena, são mais de 19 mil pessoas, concentrados na região central do Estado; Kinikinawa, em torno de 200 pessoas que vivem na área do povo Kadiwéu e lutam pelo reconhecimento de sua identidade étnica; Camba, em torno de 2 mil pessoas que migraram da Bolívia no início do século passado e vivem em Corumbá e Atikum, em torno de 80 indígenas que migraram de Pernambuco, na primeira metade do século passado e que ainda não são identificados como população indígena pela órgãos competentes.

Ainda conforme a pesquisadora, a maioria desses indígenas vive a margem da sociedade, sem assistência, nas periferias das cidades do estado.

“Esse é o caso dos Guató e Camba, que vivem na periferia de Corumbá, na fronteira entre Brasil/ Bolívia. Estes últimos vivem discriminados como estrangeiros na periferia e os demais também sofrem pela falta de assistência, principalmente, por não viverem em territórios identificados, delimitados, demarcados e/ou homologados no estado”, pontua. 

Cerâmica confeccionada pelos índios Kadiwéu, conhecida internacionalmente como Cerâmica Kadiwéu.  — Foto: Governo de MS
Cerâmica confeccionada pelos índios Kadiwéu, conhecida internacionalmente como Cerâmica Kadiwéu. — Foto: Governo de MS

Luta por reconhecimento

 

Em meio a falta de ‘reconhecimento’, os povos tentam manter costumes e tradições. Em um artigo sobre ‘Trajetórias diaspóricas indígenas no tempo presente: terras e territórios Atikum, Kamba e Kinikinau em Mato Grosso (do Sul)’, o doutor em história pela Universidade Federal de Goiás, Giovani José da Silva, revela parte dessas dificuldades.

No texto, o autor refere-se, por exemplo, aos Atikum, que se concentram no município de Nioaque, em terras da reserva indígena Terena (aldeias Água Branca, Brejão, Cabeceira e Taboquinha).

Conforme Silva, ali vivem pouco mais de 100 indivíduos Atikum, liderados até recentemente por Aliano José Vicente (falecido em 2018), um dos primeiros indígenas dessa etnia a chegar ao estado, em meados dos anos 1980. Eles vivem, sobretudo, da agricultura e do trabalho em fazendas e são chamados, pejorativamente, por indígenas Terena e não indígenas de “terra seca”, por serem de pele escura e cabelos encaracolados.

“Muitos desconfiam, inclusive, que, por causa da aparência física, os Atikum não sejam sequer indígenas. O fato de serem chamados de “terra seca” ainda hoje revela que, de alguma forma, são diferenciados de outros grupos, especialmente dos Terena, com quem convivem há tempos em uma relação intersocietária nem sempre pacífica”, pontua o pesquisador. 

Indígenas da etnia Atikum, naTenda dos Saberes Indígenas, durante o Festival de Inverno de Bonito de 2016. — Foto: Divulgação
Indígenas da etnia Atikum, naTenda dos Saberes Indígenas, durante o Festival de Inverno de Bonito de 2016. — Foto: Divulgação

Já sobre os Camba, Silva relata que são “desqualificados regionalmente como índios sem-terra’, ‘bolivianos’, ‘campesinos’ ou, ainda, ‘bugres’, o que chama a atenção é que se discutiu muito, até hoje, se eles são indígenas de fato”.

Com relação aos Kinikinau, o autor pontua que foram dados como extintos a partir da segunda metade do século XX, mas iniciaram uma intensa mobilização sociopolítica no final dos anos 1990, ainda em curso, reivindicando uma etnicidade própria e distinta dos indígenas Terena, com quem foram confundidos durante muito tempo e de quem são parentes linguísticos e culturais.

“Um dos sinais diacríticos utilizados pelo grupo para se autoafirmar Koinukunôen (autodenominação) é a produção de cerâmica, inspirada na conhecida cerâmica Kadiwéu. Os Kinikinau vivem distribuídos em algumas aldeias Terena dos municípios sul-mato-grossenses de Aquidauana, Miranda, Nioaque, dentre outros, e concentravam-se, até o ano de 2016, em terras da aldeia São João (distante cerca de 70 km de Bonito-MS), uma das 6 aldeias que atualmente compõem a Reserva Indígena Kadiwéu”, descreve.

Atualmente, os Kinikinau vivem, sobretudo, de atividades agrícolas e artesanais. Os mais velhos ainda falam cotidianamente a língua, filiada à família linguística Aruak, e a maioria, composta por crianças, jovens e adultos, comunica-se apenas em língua portuguesa. A autodenominação do grupo é Koinukunôen, que em seu idioma materno quer dizer “índio guerreiro”, em contraposição a uma identidade Terena impingida a eles através dos tempos.

Há notícias ainda de Kinikinau residindo também em terras dos Terena, nas aldeias Bananal, Limão Verde (Aquidauana), Cachoeirinha, Lalima (Miranda), Água Branca, Taboquinha, Cabeceira e Brejão (Nioaque), dentre outras. Além disso, há uma parte do grupo nas chamadas “retomadas” de terras, entre Aquidauana e Miranda, lutando por territórios outrora ocupados pelos ancestrais.

Resistência

Indígenas Guarani-kaiowá em retomada de terras. — Foto: Ruy Sposati
Indígenas Guarani-kaiowá em retomada de terras. — Foto: Ruy Sposati

Para Léia Teixeira Lacerda, sobreviver a todo o custo é o que tem feito indígenas de diferentes etnias distribuídas por todo o país. Essa sobrevivência significou, também, organizar celebrações, mesmo quando estavam sob perseguição ou proibidos de revelar quem eram. Entretanto, os laços de pertencimento ao grupo étnico e as práticas culturais mantidas permitiram não apenas a sobrevivência física, mas, especialmente, a sociocultural.

“Falta apoio e espaço aos indígenas por parte do poder público e da própria sociedade. Só em Campo Grande, são mais de 20 mil indígenas vivendo na região urbana. Mas, ainda hoje, muitos são discriminados. A boa notícia é que cada vez mais eles vêm ocupando bancos de universidades, colocações no mercado de trabalho e posições sociais importantes, provando que jamais vão deixar de lutar por suas crenças e costumes”, conclui a pesquisadora.
Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.