30.3 C
Rio Branco
24 novembro 2021 2:43 pm
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Eleições em RO: a história aponta Raupp e Cassol como os campeões de votos para o Senado

POR SÉRGIO PIRES, PARA CONTILNET

Ah, a História! De vez em quando a gente se engana, mas ela, a História, não perdoa e vem correndo nos corrigir. Foi o que aconteceu com este Blog, em sua última edição, com uma informação totalmente fora da realidade, quando se escreveu que, em 2018, Marcos Rogério tinha sido recordista de votos para o Senado. Nada mais longe da verdade.

O campeão de votos na disputa de uma cadeira senatorial por essas terras de Rondon, foi Valdir Raupp, que teve nada menos do que 481.284 votos. Foi em 2010, reelegendo o conhecido político do MDB. Muito perto de Raupp, o segundo mais votado na Historia das eleições rondonienses, para Senador, foi outro ex-governador. Ivo Cassol se elegeu também, somando 453.812 votos. Naquela eleição, a petista Fátima Cleide ficou na terceira posição, com 225.148 votos; o já falecido Agnaldo Muniz teve 187.477 votos e o quinto, o Pastor Aluízio Vidal. Ou seja, repondo a verdade histórica: com os 324.939 votos que somou em 2018, Marcos Rogério teve apenas a terceira maior votação de um senador que Rondônia elegeu.

O quarto mais votado ao Senado foi Acir Gurgacz, em sua reeleição de 2014, quando somou 312.614 votos. Relembrando ainda 2018, o segundo eleito ao Senado foi Confúcio Moura, com 230.361 votos e o terceiro Jaime Bagattoli, de Vilhena, até então praticamente desconhecido, na maioria das regiões do Estado, que teve 212.077 votos. Enfim, toda a verdade está reposta!

 No ano que vem, Rondônia votará novamente, mas desta vez não para eleger dois, mas apenas um senador, para a vaga de Acir Gurgacz, que encerra seu segundo mandato. O próprio Acir pode tentar mais oito anos no Congresso, embora nesse momento, esteja com problemas legais e não se sabe se ele poderá concorrer.

Pré-candidatos não faltam para a disputa que deverá ser uma das mais acirradas dos últimos tempos. Já se colocaram como postulantes à vaga nomes poderosos como os do ex-governador Daniel Pereira; do ex-senador Expedito Júnior; da ex-senadora Fátima Cleide; do duas vezes prefeito de Ji-Paraná, Jesualdo Pires; da deputada federal Jaqueline Cassol; do empresário Jaime Bagattoli e do ex-senador e ex-ministro Amir Lando.

Podem ainda entrar nesta lista que só cresce, dois deputados federais: Léo Moraes e Mariana Carvalho, além do prefeito Hildon Chaves, entre outros. Qual desses políticos, muitos deles na vida pública há tantos anos, conseguirá cooptar para si a maioria do eleitorado rondoniense? Ah, essa resposta nem a inesquecível vidente Mãe Dinah saberia responder.

OUTRA MUDANÇA NA ALE: SAULO SAI DEPOIS DE POUCOS DIAS E JEAN MENDONÇA ASSUME

De surpresa, o terceiro deputado estadual de Rondônia ficou sem mandato e outro assumiu em seu lugar. Foi na quarta à noite, quando a Mesa Diretora, comandada pelo presidente Alex Redano, acatou orientação da Procuradoria Jurídica da ALE, de que, com a cassação do diploma do deputado Saulo Moreira, ele não poderia se manter como deputado.

O emedebista não ficou nem dois meses no posto, já que tinha assumido a vaga do cassado Edson Martins. Assumiu agora o segundo suplente, o ex-prefeito de Pimenta Bueno, Jean Mendonça, irmão do também ex-deputado Kaká Mendonça. O TRE rondoniense cassou o diploma de Saulo por irregularidades na última campanha, quando ele ficou como primeiro suplente, na coligação liderada pelo MDB. Jean Mendonça agora está no Podemos, partido que, em Rondônia, é presidido pelo deputado federal Léo Moraes.

LIRA CONTRA A CPI DO CIRCO, MAS SÓ PORQUE DEPUTADOS  TAMBÉM FORAM DENUNCIADOS

Quando bate neles, aí a visão é outra. O presidente da Câmara Federal, Ailton Lira, fez um duro discurso contra o relatório final da CPI do Circo. Não porque ele teve apenas viés eleitoreiro ou porque foi criada para atingir apenas o Presidente da República ou, ainda, porque ofendeu e destratou qualquer depoente ou convidado que não apoiasse a linha dos donos da Comissão. Nada disso!

O protesto, num longo discurso, foi pelo indiciamento de deputados, entre os 79 denunciados pelo relatório circense. “A CPI pode muito, mas não pode tudo”, berrou Lira. Tanto o presidente da CPI, o suspeito de desviar milhões de reais da saúde do Amazonas, Omar Aziz quanto Renan Calheiros, do alto dos 17 processos em que é réu no Supremo, não aceitaram as críticas de que deputados não podem responder como se fosse criminosos, por suas opiniões, posições políticas ou projetos.

Os dois reafirmaram que os deputados denunciados são criminosos, porque defenderam o uso de medicamentos “não aprovados pela ciência”, naquela catilinária ideológica que se conhece muito bem. Lira não usou um segundo do seu discurso para defender tantos outros acusados injustamente pelo mesmo “crime”, na CPI. Todos eles se merecem!

QUASE DOIS MILHÕES DE VACINAS APLICADAS, MAS HÁ AINDA MILHARES QUE NÃO AS ACEITAM

Falta pouco para que Rondônia atinja 2 milhões de vacinas aplicadas, das 2 milhões e 700 que já chegaram, até esta sexta-feira. O Boletim 580, apontava que nada menos do que 1 milhão e 930 mil doses já haviam sido aplicadas até a quinta à noite. Das 770 mil doses que ainda estão armazenadas, um bom percentual está guardado para a segunda dose e para a dose extra, mas em muitas Prefeituras continua havendo lentidão.

Além disso, só na Capital, entre o público que deveria ter sido vacinado, pelo menos 70 mil pessoas aptas a se vacinarem, simplesmente não compareceram aos postos de imunização. É bom lembrar que a maioria dos eventos públicos está liberada, mas em locais fechados só entra quem comprovar ter recebido ao menos duas doses. Muita gente que tem procurado convites ou mesas para participar de festas e shows, não está conseguindo, porque não consegue comprovar a vacinação.

Mesmo com tanta informação que a Covid ainda é um perigo, há quem tenha ojeriza às vacinas. Enquanto isso, o número de casos novos e de óbitos continua despencando. Na manhã desta quinta, por exemplo, apenas 64 pacientes continuavam internados com a doença, em todo o sistema hospitalar do Estado.

NEM BOLSONARO, NEM TEREZA CRISTINA. QUEM VEM AO ESTADO É O MINISTRO DA EDUCAÇÃO

O presidente Bolsonaro e a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, anunciados como prováveis visitantes de Ji-Paraná, neste final de semana, não virão. A vinda de ambos chegou a ser anunciada pelo Palácio Rio Madeira/CPA, mas não se concretizou, por problema de agenda de ambos. Viriam para um grande encontro com produtores rurais, para entrega do certificado de que o gado de Rondônia está livre da aftosa sem vacinação.

A solenidade acontecerá, mas com entrega de 2.500títulos de propriedades e vários outros benefícios aos produtores. Mas, quem virá é o ministro da Educação, Milton Ribeiro. Ele estará em Ji-Paraná e Jaru, para cumprir extensa agenda. De manhã, Ribeiro visita o Instituto Federal (Ifro) de Ji-Paraná, para conhecer suas instalações e laboratórios. Depois disso, será recepcionado com um almoço, junto com as demais autoridades convidadas, pelo prefeito Isaú Fonseca.  

JARU TEM PRINCIPAL EVENTO, COM INAUGURAÇÕES NO IFRO. INVESTIMENTOS COMEÇAM COM QUASE 5 MILHÕES

Mas o mais importante evento na agenda do Ministro acontecerá à tarde, em Jaru. Na cidade do prefeito João Gonçalves Júnior e do deputado federal Lúcio Mosquini, Ribeiro vai inaugurar instalações do Ifro. Segundo Mosquini, o Ministro e sua comitiva participarão da Inauguração das obras de urbanização e estruturação para acessibilidade física; implantação dos Centros de Inovação Tecnológica do IFRO e lançamento da Clínica de Medicina Veterinária e do bloco de Laboratórios do Campus Jaru.

A nova Clínica de Medicina Veterinária é uma obra de aproximadamente 1.200 metros quadrados e foi construída através de emenda de Lúcio Mosquini. O parlamentar, representante da cidade e da região na Câmara Federal, destinou 4 milhões e 800 mil reais, para execução do projeto. Também devem estar presentes ao evento a senadora Maria Eliza; o presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, Marcelo Ponte; a Reitora da Universidade Federal de Rondônia, Marcele Regina Nogueira Pereira, entre outras.

UM DIA DE SUSTOS, VENTOS, DESTRUIÇÃO E FALTA DE ENERGIA NA CAPITAL

Foi uma sexta-feira de alguns sustos na Capital. Uma forte chuva que caiu na cidade entre meio dia e 13 horas, veio acompanhada, em setores da zona leste, de fortes ventos, que chegaram a causar destruição. Na avenida Guaporé, por exemplo, uma violenta rajada de vento, que alguns mais afoitos e dramáticos chegaram a comparar a um tornado, destruiu completamente o telhado e parte das paredes de uma borracharia.

Houve alagações em várias partes da Capital, o que sempre ocorre nos períodos de temporais. Também faltou energia em diferentes pontos, em alguns casos por mais de seis horas. A Energisa, rapidamente, emitiu nota informado que colocou suas equipes em alerta, depois do temporal, principalmente em áreas dos bairros Agenor de Carvalho e Joana D´Arc, onde se registraram casos em que telhas e galhos de árvores foram jogados sobre a rede elétrica.

Não houve, até à noite ao menos, notícias sobre pessoas feridas, embora os danos materiais causados tenham sido bastante extensos. Essa é uma temporada em que tais fenômenos podem se repetir, tanto em Porto Velho como no interior. Raios que vêm com as tempestades, aliás, matam seguidamente grande número de cabeças de gado que estão no pasto, em diferentes regiões do Estado.

RETORNO PRESENCIAL ÀS ESCOLAS ESTADUAIS, ATÉ AGORA, SÓ TEM NOTÍCIAS BOAS

Desde agosto, os estudantes da rede estadual de ensino em Rondônia começaram, aos poucos, a voltarem às aulas presenciais. Em 18 deste outubro, elas foram autorizadas para todos os mais de 195 mil alunos. Durante todo o processo, houve e há grande preocupação com os protocolos de segurança. Mesmo assim, nos primeiros dias depois da volta, mesmo com todos os cuidados; com a baixa ocupação de leitos no Estado; com o avanço da vacinação e outros indicadores muito positivos, havia sim um pouco de temor, de parte das autoridades do gabinete de crise e da própria Seduc, em relação aos riscos.

O vírus, mesmo que aparentemente controlado, ainda podia – e pode – causar muitos problemas. Contudo, cerca de duas semanas do retorno de milhares de estudantes, apenas um novo caso de pessoa afetada pelo Coronavírus, em toda a rede. E foi o de um funcionário de escola do interior. Nenhum professor ou aluno foi infectado, ao menos até agora. Este foi um dos muitos assuntos tratados pelo secretário de Educação, professor Suamy Vivecananda, numa longa entrevista aos Dinossauros do Rádio, na Parecis FM. Por enquanto, numa análise geral, o retorno às aulas presenciais tem sido um grande sucesso. 

 EM DEZ MESES, PREFEITURA COMPLETOU 80 QULÔMETROS DE ASFALTO NA CAPITAL

A quarta-feira foi dia de comemoração para o prefeito Hildon Chaves. Ele usou as redes sociais para anunciar que, apenas neste ano, já foram completados 80 quilômetros de asfalto na cidade, faltando apenas 20 quilômetros para atingir a meta deste primeiro ano do segundo mandato. “Passamos a marca de 80 km de asfalto aplicados neste primeiro ano da segunda gestão. Só na zona Leste foram mais de 45 km. A meta é atingir 100 km até dezembro”, escreveu o Prefeito.

Com este resultado concretizado, a administração municipal conclui 230 dos 500 quilômetros de avenidas e ruas que pretende asfaltar até o final de 2023. Além disso, Porto Velho está recebendo grandes obras de infraestrutura, como as em andamento no bairro da Lagoa, com galerias de até três metros de altura, que vão escoar toda a água das chuvas e acabar com as alagações que ali existem há mais de 40 anos.

Outra obra grandiosa, reiniciada dias atrás,  é a extensão da avenida Rio de Janeiro até o Condomínio Orgulho do Madeira, ligando aquela região da cidade, por uma nova via, até a Jorge Teixeira e daí para toda a área central.

PERGUNTINHA

Para quem comparou a ventania da quinta-feira na Capital aos terríveis tornados: Você sabia que os ventos de um tornado chegam a até 180 quilômetros por hora, podendo destruir prédios, casas e até levantar um ônibus cheio de passageiros do chão?

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.