28.3 C
Rio Branco
14 outubro 2021 10:53 pm

Ministério Público do Trabalho pede R$ 10 milhões da CBF por comportamento de Rogério Caboclo

Se for condenada, confederação vai tentar cobrar o valor do dirigente, que está suspenso por 21 meses

POR GLOBO ESPORTE

Última atualização em 01/10/2021 15:50

O Ministério Público do Trabalho ajuizou uma ação na qual cobra R$ 10 milhões da CBF, a título de dano moral coletivo, por causa da conduta do presidente afastado da entidade, Rogério Caboclo, acusado de assédio sexual e assédio moral por uma funcionária, um diretor e uma ex-funcionária.

A procuradoria também pede que a Justiça impeça Caboclo de entrar no prédio da CBF durante 21 meses – exatamente o período pelo qual ele foi suspenso nesta semana, por decisão da Assembleia Geral da entidade, que ratificou punição sugerida pela Comissão de Ética. No dia 6 de setembro a juíza Aline Maria Leporaci Lopes já havia determinado o afastamento de Caboclo por 12 meses.

Rogério Caboclo e a CBF foram procurados, mas ainda não responderam formalmente até a publicação desta reportagem – que será atualizada quando se manifestarem. Segundo o ge apurou, a CBF num primeiro momento deve tentar reduzir o valor da punição. Caso seja condenada, a CBF vai acionar o próprio Caboclo, para que ele indenize a instituição por seu comportamento.

Leia a matéria completa em GE, clique AQUI! 

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
É permitida sua reprodução total ou parcial desde que seja citada a fonte. Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.
Facebook Notice for EU! You need to login to view and post FB Comments!