26.3 C
Rio Branco
13 outubro 2021 10:58 am

‘Sonho dela era estudar medicina’, diz madrasta de jovem morta na fronteira

POR G1 MT

Última atualização em 10/10/2021 16:10

A família de Rhannye Jamilly Borges de Oliveira, 19, uma das vítimas da chacina ocorrida na fronteira entre o Brasil e o Paraguai no sábado (9), afirma que tinha medo da violência naquela região, mas que a jovem estava realizando o sonho de estudar medicina no país vizinho. O corpo da vítima, natural de Cáceres (MT), deve ser velado e sepultado neste domingo (10) na cidade de Curvelândia, a 311 km de Cuiabá, onde vivem os familiares da estudante.

“A gente não queria que ela fosse porque sabia que era perigoso. Conversamos muito com ela antes de ela ir, sobre essa questão de perigo, mas isso era tudo ou nada para ela. Fazer o curso de medicina era a razão de viver dela, era tudo que ela queria. Ela estava muito feliz por estar realizando esse sonho, estava vivendo o sonho da vida dela lá”, contou Silvana Moura, madrasta da vítima.

Em Curvelândia, a jovem morava com o pai e a madrasta, que têm um mercado no município, e irmãos. Ela iniciou o curso no Paraguai mas interrompeu os estudos para voltar ao Brasil por causa da pandemia de Covid-19. Em fevereiro deste ano, ela retornou ao país vizinho para dar continuidade à graduação.

Rhannye Jamilly Borges de Oliveira estudava medicina no Paraguai — Foto: Reprodução/Instagram

Rhannye Jamilly Borges de Oliveira estudava medicina no Paraguai — Foto: Reprodução/Instagram

A família recebeu a notícia da morte de Rhannye por meio de uma ligação telefônica de uma amiga da vítima e afirmou que não foi procurada por nenhuma autoridade policial, nem do Brasil e nem do Paraguai, para falar sobre o ocorrido.

“A gente não esperava uma tragédia dessa. Estamos em choque, nunca esperávamos passar por isso. Ainda estamos sem acreditar até agora. Meu marido [pai de Rhannye] está sem condições de falar, é um momento muito complicado, difícil”, relatou Silvana.

A madrasta contou ainda que a família contratou um advogado no Paraguai para ajudar nos trâmites de liberação do corpo para velório e sepultamento, que devem ocorrer durante a tarde e a noite deste domingo.

Carro em que as quatro vítimas de execução no Paraguai estavam quando foram mortas.  — Foto: Redes sociais

Carro em que as quatro vítimas de execução no Paraguai estavam quando foram mortas. — Foto: Redes sociais

Chacina

Quatro pessoas foram assassinadas na saída de uma casa noturna na cidade de Pedro Juan Caballero, na fronteira do Paraguai com o Brasil, na madrugada de sábado (9). Além de Rhannye Jamilly, as outras vítimas são: Haylee Carolina Acevedo Yunis, de 21 anos, filha de Ronald Acevedo, governador de Amambay, no Paraguai; Osmar Vicente Álvarez Grance, de 29 anos, conhecido como “Bebeto”; e a também brasileira Kaline Reinoso de Oliveira, de 22 anos, natural de Dourados (MS).

Um vídeo de câmeras de segurança mostra a execução das vítimas, que estavam em uma caminhonete branca com placas do Brasil. As imagens mostram as quatro vítimas se aproximando e entrando no veículo. Outra caminhonete para atrás e três homens armados saem dela, já atirando, e fogem na sequência.

As possíveis motivações do crime ainda não foram divulgadas pela polícia paraguaia.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
É permitida sua reprodução total ou parcial desde que seja citada a fonte. Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.
Facebook Notice for EU! You need to login to view and post FB Comments!