24.3 C
Rio Branco
21 janeiro 2022 10:28 pm

Ativista iraniana é absolvida após ficar presa em cela controlada por facção no Acre

POR TON LINDOSO, DO CONTILNET

Última atualização em 06/11/2021 08:26

Uma ativista iraniana passou 40 dias de terror no Acre. De acordo com informações da Folha de SP, ela deixou o Irã devido a perseguição política, mas acabou detida na fronteira do Brasil com o Peru com passaporte adulterado e passou 40 dias presa na superlotada penitenciária de Rio Branco.

A ativista e cinegrafista iraniana Mahnaz Alizadeh, 36, foi absolvida pela Justiça Federal no Acre, na última segunda-feira (1º). Ela foi defendida de forma voluntária por um grupo de advogadas.

“Considerando o contexto social e o trabalho exercido por Mahnaz no Irã, não se podia exigir da acusada que tivesse padrão de culpabilidade distinto quanto à utilização de documento falso, restando patente que visava apenas fugir para local seguro, buscando sua liberdade”, afirma o juiz Jair Facundes, na sentença.

O drama de Alizadeh no país começou em agosto do ano passado, quando foi barrada em Assis Brasil (AC) junto com outros seis iranianos pela PF. “Portava um passaporte canadense falso. Segundo o inquérito, ela era integrante de uma quadrilha de imigração ilegal junto com o coiote iraniano-canadense Reza Sahami, responsável de fato pelo grupo. Apenas os dois ficaram presos”, diz a publicação.

Alizadeh foi colocada numa cela lotada, em ala controlada pela facção Primeiro Comando da Capital (PCC). Em sua segunda vez confinada, já que no Irã havia sido presa política, Alizadeh passou maus bocados: sem falar português e com inglês precário, dividiu colchão com outras detentas e conviveu com falta de água.

“Em crise depressiva, a iraniana chamou a atenção da ouvidora da Defensoria Pública do Acre, Solene Oliveira da Costa. Ela procurou a Rede Liberdade, que atua em casos de violações de direitos humanos”, completou a Folha.

Clique aqui para acessar a reportagem completa.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
É permitida sua reprodução total ou parcial desde que seja citada a fonte. Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.