29.3 C
Rio Branco
26 novembro 2021 9:32 am

Balança comercial do AC tem superávit de mais de US$ 3 mi

Crise do coronavirus não impediu movimento da economia local, que exportou mais do que importou em outubro

POR TIÃO MAIA, PARA CONTILNET

Última atualização em 11/11/2021 11:56

Mesmo com a crise herdada pela pandemia do coronavirus, que afetou todos os setores da economia em quase dois anos, a balança comercial do Acre registrou superávit de US$ 3, 103 milhões no mês de outubro, segundo dados do Ministério da Economia divulgados oficialmente nesta quinta-feira (11). É o chamado superávit, quando as exportações superam as importações, com saldo positivo. No mês passado, as vendas externas somaram US$ 3,623 milhões e as compras do exterior totalizaram 519,800 dólares, segundo números oficiais.

Com esses novos números, significa que o Acre fechou o período de janeiro a outubro com um saldo recorde de RS$ 39,711 milhões de dólares, superando em 48% o registrado no mesmo período de 2020, que foi de US$ 26,872 milhões.
Assim como em setembro, quando o saldo ficou em US$ 3,724 milhões, a madeira e seus derivados voltaram a liderar exportações acreanas, contribuindo com 42,3% do total. Outros produtos, no entanto, também lideraram a pauta de exportações. São os seguintes:

– Madeira e derivados – 42,3%;
– Castanha – 27,6%;
– Derivados de bovinos – 16,7%;
– Derivados de suínos – 3,8%;
– Milho – 2,7%.

Em âmbito nacional, a lança comercial brasileira atingiu novos resultados históricos no ano, também com recordes no superávit, nas exportações. Segundo dados divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia, o superávit acumulado de 2021 chegou a US$ 58,58 bilhões, com crescimento de 29,6% em relação a igual período do ano anterior, enquanto a corrente de comércio subiu 37%, atingindo US$ 413,16 bilhões. Já as exportações cresceram 36% e somaram US$ 235,87 bilhões, e as importações aumentaram 38,3%, para US$ 177,29 bilhões.

Considerando apenas o mês de outubro, também houve recorde nas exportações, que somaram US$ 22,52 bilhões. As importações alcançaram US$ 20,5 bilhões e tiveram média diária acima de US$ 1 bilhão – a melhor para o mês desde o ano de 2015. A corrente de comércio resultante desses números chegou a US$ 43 bilhões, também recorde para o mês. Já o superávit foi de US$ 2 bilhões, com uma redução de 54,5% na média diária em relação ao mesmo mês do ano passado.

Entre os setores, no acumulado de 2021, a Indústria Extrativa apresentou crescimento maior de exportações, com alta de 73,1%, sendo que, somente em outubro, houve uma alta de 40% nas vendas externas do segmento. A Indústria de Transformação – que responde pela metade das exportações brasileiras – teve crescimento de 26,4% nas vendas, chegando a US$ 117,452 bilhões. Já a Agropecuária exportou US$ 48,440 bilhões no ano, uma alta de 21% em relação aos dez primeiros meses de 2020.

De acordo com a Secex, os preços subiram 28,8%, em média, e tiveram maior influência nas receitas de exportação, com destaque para os valores na Indústria Extrativa, que aumentaram 66,1% no ano. Já nas quantidades exportadas, houve um aumento médio de 4,2%, mas a Agropecuária registrou diminuição de 9% nos volumes. Nesse caso, contribuíram para a queda, principalmente, as reduções de volumes exportados de milho (-41,2%).

As quantidades importadas tiveram aumento significativo em todas as categorias. O crescimento médio foi de 25,7%, com destaque para as altas da Indústria Extrativa, 29,2%, e da Indústria de Transformação, de 25,9%. Os preços dos produtos importados também subiram 10,9%, em média. As maiores altas, nesse quesito, foram de itens agropecuários (+22,6%) e da Indústria Extrativa (+19,6%). “Os preços se aceleraram nos últimos meses, com aumentos acima de 20%, principalmente em setembro e outubro”, observou o subsecretário.

A China se mantém como líder entre os destinos das exportações brasileiras, respondendo por 33,6% das compras, com US$ 79,219 bilhões. Os Estados Unidos (10,7%) compraram US$ 25,269 bilhões em produtos brasileiros neste ano. Já as exportações para a Argentina cresceram 46,3% e atingiram US$ 9,87 bilhões. Para a União Europeia, foram exportados US$ 40,761 bilhões.

A China também aparece como principal origem dos produtos importados pelo Brasil, com 22% de participação, o que representa US$ 38,965 bilhões em dez meses – uma alta de 36,8% sobre o mesmo período de 2020, pela média diária. Também houve aumento das compras dos Estados Unidos (+33,1%), da Argentina (+45,4%) e da União Europeia (+27,5%).

Também houve aumentos nas compras de bens intermediários, como eletroeletrônicos, produtos químicos, adubos e fertilizantes, com alta de 46,8%. Nos bens de consumo, incluindo automóveis, vestuário, eletrodomésticos, medicamentos e até vacinas, a alta foi de 14,4%. Já em combustíveis e lubrificantes, como petróleo bruto, óleos combustíveis, carvão mineral, gás natural, entre outros, as compras cresceram 70,9%.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
É permitida sua reprodução total ou parcial desde que seja citada a fonte. Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.
Facebook Notice for EU! You need to login to view and post FB Comments!