27.3 C
Rio Branco
24 novembro 2021 7:18 pm

Dose de reforço: vacina usada deve ser ‘preferencialmente’ a da Pfizer, independente do esquema vacinal

Na terça (16), Marcelo Queiroga disse que o ministério ainda não tinha definido qual imunizante seria usado no reforço para quem tomou a vacina da Pfizer.

POR G1

Última atualização em 18/11/2021 16:26

A secretaria extraordinária de enfrentamento à Covid-19, do Ministério da Saúde, publicou na quarta-feira (17) uma nota técnica sobre a administração da dose de reforço em pessoas com mais de 18 anos. As orientações são para quem tomou CoronaVac, AstraZeneca ou Pfizer.

No documento, a secretaria do Ministério da Saúde reforça que a vacina a ser utilizada na dose adicional “deverá ser, preferencialmente, da plataforma de RNA mensageiro (a Pfizer) ou, de maneira alternativa, vacina de vetor viral (Janssen ou AstraZeneca), independente do esquema vacinal primário”.

Ou seja, se a pessoa completou o esquema vacinal (duas doses) com as vacinas CoronaVacAstraZeneca, Pfizer ou mix AstraZeneca/Pfizer, ela deve receber, preferencialmente, a Pfizer como dose de reforço.

A nota esclarece um ponto que ficou em aberto durante uma coletiva do Ministério da Saúde na terça-feira (16). Na ocasião, Marcelo Queiroga disse que a pasta ainda não tinha definido qual imunizante seria usado no reforço de quem completou o esquema com duas doses da Pfizer.

“Há aqueles que defendem que deve ser a mesma vacina, no caso da Pfizer. Mas isso ainda não é consolidado na ciência. (…) Como a vacina da Pfizer começou no Brasil em abril, ainda não está no tempo de aplicar esse reforço em quem tomou Pfizer, mas esperamos ter informações concretas a esse respeito em um curto espaço de tempo”, explicou Queiroga.

Na mesma entrevista, o ministro explicou que a preferência para o reforço era a vacinação heteróloga – o chamado mix de vacinas, com um imunizante diferente daquele aplicado no esquema primário.

Vacina da Janssen

A nota da secretaria do Ministério da Saúde não citou as alterações sobre a vacina da Janssen. Na terça-feira, a pasta anunciou que pessoas que tomaram o imunizante de dose única deverão receber uma segunda dose. A dose de reforço pra esse público estará disponível cinco meses após essa segunda dose.

Durante a entrevista, Queiroga afirmou que, antes de receber a dose de reforço, as pessoas precisam receber uma “segunda dose” da Janssen. O uso do tempo “segunda dose” feito pelo ministro pode ser motivo de confusão: tecnicamente, a 2ª dose é parte do esquema vacinal proposto nos estudos e aprovado pela Anvisa. O esquema vacinal de Pfizer, AstraZeneca e CoronaVac previam duas doses.

Também na terça, o ministério informou que enviaria uma Nota Técnica aos gestores para esclarecer eventuais dúvidas.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
É permitida sua reprodução total ou parcial desde que seja citada a fonte. Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.