24.3 C
Rio Branco
26 novembro 2021 4:55 am

Greve: Justiça determina que 90% dos médicos voltem ao trabalho, mas Prefeitura diz que não esgotou negociações

Secretário de Bocalom explicou que a decisão judicial está embasada no fato de a Saúde ser um serviço essencial à sociedade. Caso haja descumprimento por parte dos profissionais, a multa diária prevista é de R$50 mil

POR RENATO MENEZES, PARA CONTILNET

Última atualização em 15/11/2021 10:07

O secretário Jonathan Santiago, que comanda a Secretaria de Gestão Administrativa e Tecnologia da Informação (Segati) da Prefeitura de Rio Branco, concedeu uma entrevista coletiva nesta segunda-feira (15) para tratar a respeito da decisão judicial que determina a volta dos profissionais da saúde aos postos de trabalho.

Segundo Azevedo, o Tribunal de Justiça do Acre (TJAC) entendeu a legalidade da greve da Saúde, mas que por se tratar de um serviço essencial, determinou-se a volta de 90% dos profissionais aos postos de trabalho.

“O município tomou as providências necessárias que competiam dentro da lei, que era a ação judicial, já que vínhamos com uma conversação com o sindicato, mas não houve sensibilidade por parte deles”, complementou.

ESTUDOS

Ainda de acordo com o secretário da pasta, estão sendo feitos estudos técnicos de impacto na folha a respeito de reajustes e reposições inflacionárias, mas que pelo fato de a categoria estar exigindo uma resposta imediata, algumas medidas como o valor do reajuste para 2021 não podem ser dadas de forma arbitrária.

“Nós temos dispositivos legais, e um deles é a LOA (Lei Orçamentária Anual). Só saberemos o quanto gastar após a aprovação da Lei pela Câmara dos Vereadores, e após isso teremos a exata noção de até onde podemos gastar, bem como sobre qual o impacto que as promoções de todos os servidores, e exclusivamente, dos médicos que estão em atraso tem um impacto considerável na folha”, disse.

“NÃO ESGOTAMOS AS NEGOCIAÇÕES”

Por fim, o secretário pediu para que os profissionais retornem às unidades de saúde em cumprimento da lei. Segundo ele, a ordem judicial é para que os médicos retornem já na próxima quarta-feira (17), sob pena de multa diária de R$50 mil.

“Já respondemos as propostas que eles fizeram, fizemos aquilo que era possível e o que não era possível, e entendemos que sem esta sensibilidade, a negociação pode prosseguir, mas o ideal é que os 100% dos profissionais retornassem. Caso não, que se cumpra a ordem judicial dos 90% que já vai atender a sociedade, mas mais ainda, que a greve seja encerrada, porque nós não esgotamos as negociações”, finalizou.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
É permitida sua reprodução total ou parcial desde que seja citada a fonte. Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.