30.3 C
Rio Branco
28 junho 2022 5:21 pm
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Em visita relâmpago à Brasileia, Gladson se reúne a portas fechadas com prefeita Fernanda Hassem

POR THIAGO CABRAL, DO CONTILNET

Vapt-vupt

O governador Gladson Cameli (PP) fez uma visita “relâmpago” ao município de Brasileia nesta quinta-feira (27). Oficialmente, a ida do chefe do Executivo estadual ao Alto Acre foi para ver o andamento da obra do Anel Viário de Brasileia e as obras do Estado realizadas no município.

Política

Porém, além da agenda institucional, o governador também cumpriu uma agenda política. Ele se reuniu com a prefeita do município, Fernanda Hassem (PT), a portas fechadas e por mais de duas horas, contou à coluna uma fonte que presenciou o encontro. Não se sabe o que os mandatários conversaram, mas ao saírem da reunião, o sorriso nos rostos evidenciava que o diálogo fluiu.

Em paz

Na semana passada, em entrevista na TV Gazeta, a prefeita havia reclamado da falta de olhar do Governo do Estado para o município. Pelo visto, os gestores se encontraram para colocar os pingos nos is e resolveram a situação. Ganha o povo de Brasileia.

Martelo (quase) batido

Falta muito pouco para a federação entre PT, PSB, PCdoB e PV ser oficializada. As negociações tem avançado e as disputas entre os dois maiores partidos da aliança, PT e PSB, estão sendo, aos poucos, contornadas.

Estados-chave

Na última quarta (26), os presidentes nacionais de PT, PSB, PCdoB e PV se reuniram em Brasília para dar prosseguimento às discussões sobre a federação entre as siglas. A avaliação dos partidos é de que o encontro superou as expectativas, mas não resolveu o principal problema: as escolhas de petistas e socialistas em estados-chave para as eleições deste ano.

Estatuto

O principal objetivo da reunião era avançar na formulação do estatuto da federação, ou seja, se já estão discutindo estatuto é porque a coisa tá engrenando. Como a aliança envolverá siglas de diferentes tamanhos, discutiu-se uma forma para evitar que um partido imponha, isoladamente, uma determinação. O caminho encontrado foi que, na falta de consenso, com 2/3 da direção as decisões serão tomadas.

Direção

Outra discussão da reunião foi de como vai ficar a composição da direção. Ficou definido que será montada uma assembleia da federação formada por 50 membros, que serão divididos de acordo com o peso de cada sigla na Câmara: 27 do PT, 14 do PSB, 5 do PCdoB e 4 do PV. Hoje, o PT tem 53 deputados, o PSB 30, o PCdoB 8 e o PV 4. Ficou decidido também que haverá um rodízio no comando da assembleia, que teria como direção um presidente e três vices. Como a federação terá, no mínimo, quatro anos, cada sigla assumirá a presidência por um ano.

2024

Na equação da federação, outra conta importante é sobre as eleições municipais de 2024. É preciso definir no presente, como acontecerão as negociatas no futuro, para o problema não se transforme em um cavalo de Tróia.

Arranjos locais

As divergências entre o PT e o PSB sobre os arranjos locais nos estados tem sido o principal entrave da federação, e por isso mesmo os partidos pediram a autorização do Tribunal Superior Eleitoral para concluir as negociações até junho. Por enquanto vale a data limite de 1 de março para apresentar à Corte o pedido de reconhecimento da federação. Nas próximas semanas os dirigentes estaduais dos quatro partidos devem se reunir para tentar aparar as arestas com relação as definições nas candidaturas a governos estaduais.

Acre

Com a federação perto de ser concretizada, está chegando a hora dos dirigentes das siglas no Acre definirem as estratégias para as eleições deste ano, tanto na disputa majoritária quanto na proporcional. Na majoritária, dois nomes estão postos, o do deputado estadual Jenilson Leite (PSB) e o do ex-senador Jorge Viana (PT). Com Jenilson empenhado em sua pré-candidatura ao Governo e Jorge Viana querendo disputar o Senado, o mais provável é que essa dobradinha seja ratificada em breve. No âmbito da disputa proporcional, as chapas para estadual e federal terão briga de cachorro grande. A chapa para federal só pode ter no máximo 9 nomes na disputa, e que deve ser divido entre os quatros partidos. O PT deve lançar nomes como Leo de Brito, Sibá Machado e Raimundo Angelim para a disputa, que deve contar também com outros nomes de peso, como Perpétua Almeida pelo PCdoB e César Messias pelo PSB.

Em obras

O senador Sérgio Petecão (PSD) mostrou hoje nas redes sociais como está ficando o espaço que ele usará como comitê de campanha. Petecão fez um tour no prédio, que está passando por reforma, e contou os detalhes de como o espaço vai ficar.

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.