17.3 C
Rio Branco
20 maio 2022 9:54 am

União Brasil dá prazo até abril para Moro se mostrar candidato viável

POR METRÓPOLES

Última atualização em 23/01/2022 11:09

As investidas do ex-juiz Sergio Moro, pré-candidato do Podemos à Presidência da República, sobre o União Brasil (fusão de DEM e PSL) têm encontrado resistência entre importantes lideranças do futuro partido.

Isso porque há um temor de que a presença do ex-juiz, ou mesmo a formação de uma aliança formal com o Podemos em torno da candidatura nacional, possa prejudicar as duas prioridades da nova legenda: eleger a maior bancada no Congresso Nacional e o maior número de governadores.

Dirigentes da sigla dão até abril para Moro se apresentar viável como candidato, ou seja, conseguir os esperados dois dígitos prometidos no lançamento de sua candidatura, e que, até o momento, não foram atingidos nas pesquisas de intenção de voto.

Até lá, de acordo com dirigentes do partido, o foco é trabalhar os palanques locais e, caso a candidatura do ex-juiz cresça, ser avaliada, mas de forma não prioritária, ou seja, sem interferência nos arranjos estaduais.

última pesquisa Datafolha, realizada de 13 a 16 de dezembro, mostrou o ex-ministro do governo Bolsonaro com 9% das intenções de voto. O atual chefe do Executivo federal atingiu 22%, enquanto o ex-presidente Luiz Inácio da Lula (PT) liderou as intenções de voto, com 48%.

Dirigentes do União Brasil ainda se mostram céticos quanto à ida de Moro para o novo partido, possibilidade que chegou a ser cogitada pelo ex-juiz, depois de encontrar resistências dentro de parte da bancada do Podemos, interessada nos recursos do fundo partidário para suas candidaturas.

Moro tem tratado sobre sua possível migração para o União Brasil diretamente com o futuro presidente da sigla, Luciano Bivar (PE), a quem já sinalizou a necessidade de estar em um partido com mais verbas para sustentar uma campanha presidencial.

“Eu acredito mais na permanência dele no Podemos”, diz o deputado Efraim Filho (DEM-PB), que integra a executiva nacional da nova legenda e que deverá ser candidato ao Senado.

“Primeiro é a bancada no Congresso, Câmara e Senado. Esse é o foco. É preciso organizar a bancada durante a janela partidária, tentar trazer o maior número de quadros, pensando em sair das urnas com a maior bancada no Congresso”, ressaltou.

“Por fim vem a cena nacional. É prematuro definir agora alguma aliança. Só após a janela partidária [prazo da Justiça Eleitoral para a troca de legenda] é que a gente terá condição de fazer essa avaliação de apoio ou não a Moro”, ressaltou.

Leia mais em Metrópoles.

É PERMITIDA SUA REPRODUÇÃO PARCIAL COM O SITE CONTILNETNOTICIAS.COM.BR SENDO LINKADO E CITADO.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Receba nossas notícias em seu email

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 5.916 outros assinantes

Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.