23.3 C
Rio Branco
16 maio 2022 5:45 pm

Após ironizar áudios, Mourão chama ditadura de “revolução democrática”

Questionado sobre áudios que atestam prática de tortura no período militar, vice-presidente disse que os envolvidos "já estão todos mortos"

POR METRÓPOLES

Última atualização em 19/04/2022 16:53

Um dia após dizer que investigações sobre tortura durante a ditadura militar não são necessárias, porque os envolvidos “já estão todos mortos”, o vice-presidente Hamilton Mourão (Republicanos) relembrou esse período como uma “revolução democrática”.

“O Exército, com uma história de vitórias, desde Guararapes, quando índios, brancos e negros combateram os holandeses, passando pela Guerra do Paraguai, pela Segunda Guerra Mundial e pela Revolução Democrática de 1964 até os dias atuais, preserva a soberania e contribui com o Brasil. Parabéns ao Exército Brasileiro”, disse o general em uma publicação no Twitter.

O vice-presidente, que também é general da reserva do Exército Brasileiro, frequentemente exalta o regime que matou, torturou e sumiu com cerca de 500 pessoas.

Na segunda-feira (18/4), quando questionado por jornalistas sobre áudios revelados pela colunista Miriam Leitão, nos quais ministros do Superior Tribunal Militar (STM) debocham da prática de tortura na ditadura militar, Mourão riu e disse que o caso não precisaria de investigação, pois os atores já haviam morrido.

“Vai apurar o quê? Os caras já morreram tudo. Vai trazer os caras do túmulo de volta?”, disse. “Isso é história, já passou. Mesma coisa que a gente voltar na ditadura do Getúlio, né? São assuntos já escritos em livros e debatidos intensamente. É passado. Faz parte da história do país”, continuou.

Na ocasião, Mourão ainda defendeu que, ao relembrar o episódio que matou e sumiu com ao menos 500 pessoas entre 1964 e 1988, deve-se ouvir os “dois lados”.

“Tem que conhecer a história. A história sempre tem dois lados a ser contados, né? Então, vamos lembrar: aqui houve uma luta, dentro do país, contra o Estado brasileiro, por organizações que queriam implantar a ditadura do proletariado, que era um regime que na época atraía uma quantidade grande da juventude brasileira e também parcela da sociedade, mas que perderam essa luta”, declarou.

A reportagem da jornalista, que foi uma das vítimas de tortura pela ditadura de 1964, traz 10 mil horas de gravações feitas durante os 10 anos em que as sessões do STM foram registradas, inclusive as secretas. As audiências ocorreram entre 1975 e 1985 (confira os áudios aqui).

O historiador Carlos Fico teve acesso aos documentos em áudio, e Miriam Leitão os publicou. Trechos inéditos mostram os ministros do tribunal falando sobre torturas.

Em 1964, militares derrubaram o governo João Goulart e, em seguida, iniciou-se um regime ditatorial que durou 21 anos — considerado um dos períodos mais obscuros da história brasileira, com saldo estimado em milhares de pessoas mortas por discordarem da gestão federal.

É PERMITIDA SUA REPRODUÇÃO PARCIAL COM O SITE CONTILNETNOTICIAS.COM.BR SENDO LINKADO E CITADO.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Receba nossas notícias em seu email

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 5.896 outros assinantes

Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.