31.3 C
Rio Branco
24 junho 2022 5:04 pm

O maior registrado em Rio Branco: incêndio no prédio da Aleac completa 30 anos

Após três décadas, ainda é o maior incêndio registrado em Rio Branco.

POR MARIA FERNANDA ARIVAL, PARA CONTILNET

Última atualização em 30/04/2022 09:09

Em 30 de abril de 1992, em uma quinta-feira, o prédio da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), localizada na rua Arlindo Porto Leal, no Centro de Rio Branco, pegou fogo e ficou registrado como o maior incêndio já ocorrido na capital. Segundo informações do coronel Carlos Batista, foram mais de 60 bombeiros atuando na operação.

O coronel Batista, em entrevista ao programa Entrevista da Tarde, lembra que na época, nenhum dos bombeiros que participaram da operação usava equipamentos modernos, pois naquele ano as coisas eram diferentes. Não haviam roupas de aproximação e resistente ao fogo e calor.

Incêndio no prédio da Assembleia Legislativa do Acre completa 29 anos nesta  sexta - ContilNet Notícias

O incêndio tomou o prédio e, ao perceber que havia fogo no local, os servidores subiram para o terraço e, segundo coronel Batista, algumas pessoas ameaçavam se jogar, para que tivesse uma morte, talvez, menos dolorosa, conforme aconteceu em São Paulo, no Edifício Joelma. O prédio da sede da Aleac foi destruído pelo fogo, além de todo acervo histórico e documentos do Poder Legislativo do Acre, de 1962 à 1992.

Reconstruído em 1994, o prédio da Aleac não atende mais às necessidades de todos os parlamentares e servidores da casa. Em 2012, houve um processo de negociação com a Câmara de Rio Branco, quando o acordo seria feito da seguinte forma: a Aleac iria transferir seu prédio atual, localizado na Rua Arlindo Porto Leal, no Centro, para a Câmara e, em contrapartida, o Legislativo municipal transferiria seu terreno localizado na Via Verde, no novo Centro Administrativo, para que a Aleac construísse sua nova sede; mas as negociações não prosperaram.

1992

Naquele ano, a Aleac investigava supostas irregularidades no processo de construção do Canal da Maternidade, hoje Parque da Maternidade, em Rio Branco. A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) investigava o processo licitatório e o valor da obra, que teria sido feita pela construtora Odebrecht, famosa posteriormente pelas investigações da Operação Lava-Jato.

Apesar de dividir opiniões sobre o motivo do incêndio, não se pode afirmar se foi criminoso ou acidente, que mesmo após três décadas, ainda é o maior incêndio registrado em Rio Branco.

É PERMITIDA SUA REPRODUÇÃO PARCIAL COM O SITE CONTILNETNOTICIAS.COM.BR SENDO LINKADO E CITADO.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Receba nossas notícias em seu email

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 6.078 outros assinantes

Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.