20.3 C
Rio Branco
27 junho 2022 12:33 am

‘Quase desmaiando’ de frio, mulher pede ajuda em bar e é socorrida com hipotermia

Termômetros marcavam por volta de 5°C, em Campo Grande, quando a vítima chegou pedindo cobertor. Capital está entre as cidades mais geladas do Brasil nestes últimos dias.

POR G1

Última atualização em 18/05/2022 15:28

Os termômetros têm registrados temperaturas abaixo de 10°C em Campo Grande nestes últimos dias, o que coloca o município no topo do ranking das capitais mais geladas do Brasil, conforme os serviços de meteorologia.

E o frio que fazia no início da manhã desta quarta-feira (18), por volta de 5°C segundo a meteorologia, causou hipotermia em uma mulher de 37 anos. Ela chegou uma lanchonete do Jardim Tijuca pedindo cobertor e “quase desmaiando”, como descreveu o comerciante Moisés Martins.

“A moça chegou umas 6h (de MS), pediu um cobertor. Como não tinha na lanchonete, minha esposa pegou minha blusa e colocou nela, uma meia, luva e pedimos para ela sentar para se aquecer, mas acho que ela não aguentou, estava muito frio e pediu para chamar o Samu. Foi o que a gente fez”, conta Moisés. “Ele estava a ponto de chegar desmaiar, de tanto frio que ela estava passando. Graças a Deus deu tudo certo”, descreve.

Enquanto esperava por socorro, a mulher falou o endereço dela aos comerciantes. “Nós queríamos proteger ela do frio. Ela veio, sentou aqui, ficamos esperando o socorro chegar”, lembra.

Comerciante conta como mulher chegou no local — Foto: Marcus Viniccíus/TV Morena

Comerciante conta como mulher chegou no local — Foto: Marcus Viniccíus/TV Morena

A mulher foi levada pelo Corpo de Bombeiros com crise de hipotermia para atendimento médico, foi avaliada, medicada e já recebeu alta, conforme informações da Secretaria Municipal de Saúde.

Ricardo Rapassi, coordenador do Samu em Campo Grande, explica que a mulher teve uma crise de hipotermia leve.

“É quando a temperatura corporal baixa muito. Pode causar tremores, perda de sensibilidade nas extremidades e, em quadros mais graves, até desorientação”.

Para evitar passar mal por conta do frio, é necessário se agasalhar muito bem, “principalmente as extremidades”. Outra orientação é ingerir líquidos quentes e, em caso de suspeita de hipotermia, pedir ajuda médica.

Céu com poucas nuvens em Campo Grande nesta quarta-feira — Foto: Marta Ferreira/TV Morena

Céu com poucas nuvens em Campo Grande nesta quarta-feira — Foto: Marta Ferreira/TV Morena.

Temperatura

Nestes últimos dias de “friaca”, a temperatura em Campo Grande ficou próxima de Curitiba, conhecida por ser uma das cidades mais frias do país, e também da capital de São Paulo, que vive seu dia mais frio desde 1990, conforme o serviço Climatempo.

Conforme o Climatempo, nesta quarta-feira (18), Curitiba marcou 7°C ao amanhecer e Campo Grande 5°C.

Os dados de outro serviço de medição dos dados do clima, o Inmet, indicam que ontem Campo Grande foi a segunda capital mais fria no País, com 7°C. Essas são medições objetivas, ou seja, sem considerar a sensação térmica, que é menor quando mais vento faz no lugar.

Medição feita pela estação da Uniderp indica que a capital sul-mato-grossense teve sensação de até dois graus centígrados, na região do Parque dos Poderes, povoada de vegetação.

Friaca no interior

De acordo com números do Inmet, Rio Brilhante e Bandeirantes estão entre as cidades que registraram sensação térmica de pouco mais de 1°C nesta quarta-feira em Mato Grosso do Sul. O Instituto não mediu a sensação térmica em Ponta Porã, na fronteira, mas meteorologistas indicam que também se aproximou de 0°C.

Houve geada em Bandeirantes, Sidrolândia e Dourados. Sem chuva, os meteorologistas alertam para baixos índices da umidade relativa do ar, podendo ficar abaixo dos 30%.

É PERMITIDA SUA REPRODUÇÃO PARCIAL COM O SITE CONTILNETNOTICIAS.COM.BR SENDO LINKADO E CITADO.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Receba nossas notícias em seu email

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 6.087 outros assinantes

Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.