28.3 C
Rio Branco
26 junho 2022 5:06 pm

Mesmo perdendo mais de R$ 200 mi, AC não vai ao STF contra lei do ICMS único sobre combustíveis

A ação é mais um capítulo no embate entre Estados e governo federal em torno da tributação dos combustíveis

POR EVERTON DAMASCENO, DO CONTILNET

Última atualização em 23/06/2022 08:58

Onze estados do Brasil entraram com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a lei que estabeleceu a unificação da alíquotas do ICMS sobre combustíveis, aprovada no Congresso Nacional no início de março.

O pedido elaborado pelo Colégio Nacional de Procuradorias-Gerais dos Estados e do Distrito Federal (Conpeg) foi assinado pelos governadores de Pernambuco, Maranhão, Paraíba, Piauí, Bahia, Mato Grosso do Sul, Sergipe, Rio Grande do Norte, Alagoas, Ceará e Rio Grande do Sul.

O Acre não entrou na lista, com alíquota da gasolina chegando a 25%. Em entrevista ao ContilNet, o secretário da Fazenda (Sefaz), Amarísio Teixeira, disse que o prejuízo para o Estado será de aproximadamente R$ 223 milhões só em 2022.

SAIBA MAIS: Acre estima perder R$ 223,7 milhões com projeto aprovado que limita ICMS

A ação é mais um capítulo no embate entre Estados e governo federal em torno da tributação dos combustíveis.

Na ação, os Estados pedem que a relatoria fique com o ministro Gilmar Mendes. O magistrado é relator de outra ação, em que o presidente Jair Bolsonaro pediu, por meio da AGU (Advocacia Geral da União), a limitação do ICMS nos combustíveis. No processo relatado por Gilmar, os 26 Estados e o DF pediram a suspensão de uma decisão do ministro André Mendonça que estabeleceu uma redução das alíquotas de ICMS sobre combustíveis.

Nesse 3º processo, Mendonça também determinou, em decisão liminar (provisória), que as alíquotas do ICMS dos combustíveis devem ser uniformes em todo país a partir de 1º de julho. Os governadores afirmaram que a lei “trouxe graves riscos à governabilidade” dos Estados e do Distrito Federal, “diante dos imensos prejuízos gerados com a perda de arrecadação direta, e até para Municípios, dada a correspondente redução das transferências constitucionais obrigatórias”.

O pedido cita estimativa do Comsefaz (Comitê Nacional de Secretários de Fazenda dos Estados e do Distrito Federal), de que a lei contestada poderia causar perdas de mais de R$ 3 bilhões em 2022 aos Estados.

Com informações do Poder 360.

É PERMITIDA SUA REPRODUÇÃO PARCIAL COM O SITE CONTILNETNOTICIAS.COM.BR SENDO LINKADO E CITADO.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Receba nossas notícias em seu email

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 6.087 outros assinantes

Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.