24.3 C
Rio Branco
9 agosto 2022 8:23 am

AUXÍLIO PERMANENTE DE R$ 1.200: Confira as REGRAS para receber o benefício

POR NOTÍCIAS CONCURSOS

Última atualização em 29/07/2022 21:39

Auxílio Emergencial, criado em 2020 e pago durante a pandemia, ajudou milhares de brasileiros durante o período mais crítico da economia. Dentre os beneficiários, mães solteiras, chefes de família, eram beneficiadas com o valor dobrado, sendo R$1.200, tendo em vista que o valor do auxílio era R$600.

No entanto, com o encerramento do Auxílio Emergencial, o pagamento também foi cancelado, deixando muitas chefes de família desamparadas. Diante disso, com o objetivo de continuar ajudando as mães solteiras de baixa renda, um Auxílio Permanente, no valor de R$1.200, foi proposto, através de um projeto.

O texto, de autoria do deputado Assis Carvalho (PT-PI), foi criado em abril de 2020 e segue aguardando o parecer do relator na Comissão de Seguridade Social e Família.

O Auxílio Permanente de R$ 1.200 será liberado em 2022?

Para a aprovação do projeto acontecer, é levada  em consideração uma série de fatores. Alguns deles se tratam do Orçamento, lei eleitoral e o tempo de tramitação de um projeto no Congresso Nacional.

Inicialmente, por se tratar de um ano eleitoral, a lei proíbe a criação de benefícios sociais. Além disso, o processo de trâmite para que o benefício seja aprovado ainda está no início, tendo em vista que se faz necessário a passagem do projeto pelas comissões de Seguridade Social e Família, de Finanças e Tributação e Constituição e de Justiça e Cidadania, para assim ser  votado pelos deputados e senadores e, eventualmente, sancionado pelo presidente da república.

Segundo as regras, para ter acesso ao benefício é necessário:

  • Ser maior de idade (mínimo de 18 anos);
  • Não estar trabalhando de carteira assinada;
  • Não ser titular de benefício previdenciário ou assistencial;
  • Ter renda familiar mensal per capita de até meio salário-mínimo (R$ 606) ou a renda familiar mensal total de até três salários mínimos (R$ 3.636);
  • Estar inscrita no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico);
  • Não ser beneficiária do seguro-desemprego ou de programa federal de transferência de renda;
  • E que seja: microempreendedora individual (MEI); contribuinte individual do Regime Geral de Previdência Social que colabore na forma do caput ou do inciso I do § 2º do art. 21 da Lei nº 8.212 de 24 de julho de 1991; ou trabalhadora informal, que esteja empregada, seja autônoma ou desempregada de qualquer natureza, inclusive como intermitente inativa.

 

É PERMITIDA SUA REPRODUÇÃO PARCIAL COM O SITE CONTILNETNOTICIAS.COM.BR SENDO LINKADO E CITADO.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.