24.3 C
Rio Branco
10 agosto 2022 12:22 pm
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Por indefinições, partidos no Acre empurram convenções para os 45 minutos do segundo tempo

POR EVERTON DAMASCENO, DO CONTILNET

Convenções

Podendo iniciar já a partir desta quarta-feira (20), mas com data limite até o próximo dia 5 de agosto, as convenções são um dos momentos mais importantes desse momento pré-eleitoral. É onde são escolhidas as candidaturas proporcionais e majoritárias dos partidos e/ou coligações.

Xadrez

Acontece que a essa altura do campeonato, tem muito partido e pré-candidato com situações indefinidas aqui no Acre. Esperando o adversário dar um passo para só então calcular o seu. Como em um jogo de xadrez.

PSB

O PSB é um desses partidos. Marcou sua convenção para o último dia, 5 de agosto. Isso porque o partido tem um pré-candidato ao Governo, o deputado estadual Jenilson Leite, mas ainda sonha com uma aliança com o PT de Jorge Viana. Então vai esperar a convenção da Federação Brasil da Esperança (PT, PCdoB e PV) acontecer, para só depois definir seu futuro.

Brasil da Esperança

A convenção da federação partidária que reúne PT, PCdoB e PV está marcada para o próximo dia 30 e a expectativa é que Jorge Viana anuncie a que cargo vai concorrer, se Senado ou Governo. Por isso, a espera dos socialistas, para saber onde Jenilson se encaixa nesse tabuleiro.

MDB

O MDB, que até pouco tempo tinha uma chapa majoritária praticamente completa, com Mara Rocha para o Governo e Jéssica Sales para o Senado, é outro partido que resolveu levar a convenção para os 45 minutos do segundo tempo, ou seja, dia 5 de agosto. Nas trincheiras emedebistas há uma expectativa em torno da pré-candidatura ao Senado, já que Jéssica Sales faz tratamento de saúde e pode desistir da disputa. Se antes só faltava preencher a vaga de vice, agora pode ser que o partido precise achar dois novos nomes para compor a chapa majoritária. E nessas condições, qualquer dia a mais é precioso. Como diria Galvão Bueno: “Haja coração!”

Bittar

Os partidos que estão sob a influência do senador licenciado Marcio Bittar (UB) também devem levar a decisão sobre o futuro para o dia 5. Nesse caso, os partidos União Brasil, Republicanos, PL e PSDB fazem parte da base governista, mas esperam as negociações com o governador Gladson Cameli (PP) avançarem para só então realizarem a convenção e baterem o martelo sobre o caminho que vão tomar.

Pesquisa

Foi divulgada hoje mais uma pesquisa eleitoral medindo a intenção de votos para presidente da República. Dessa vez, a pesquisa foi feita pelo PoderData, braço de pesquisa do portal Poder360. De acordo com o levantamento, o ex-presidente Lula (PT) está seis pontos percentuais acima do presidente Jair Bolsonaro (PL) na corrida eleitoral quando o assunto é o 1° turno. O petista tem 43% contra 37% do atual presidente. Segundo o site, essa diferença de seis pontos entre Lula e Bolsonaro é a menor registrada pelo PoderData desde abril de 2022.

2° turno

Já quando o assunto é 2° turno, a pesquisa, realizada de 17 a 19 de julho, mostra Lula com 51% das intenções contra 38% de Jair Bolsonaro, uma desvantagem de 13 pontos do atual presidente.

Auxílio Brasil

Um dado interessante trazido pela pesquisa é que Lula chega a 52% das intenções de voto entre os eleitores que declaram ter recebido alguma parcela do Auxílio Brasil, programa criado por Bolsonaro para substituir o Bolsa Família.

Ciro Gomes

Primeiro presidenciável a oficializar seu nome para a disputa, já que o PDT realizou sua convenção hoje, Ciro Gomes deve encarar sua quarta eleição para presidente, no pleito deste ano. Nesta eleição, a estratégia de Ciro tem sido se colocar como uma alternativa a Lula e Bolsonaro. “Contra essa polarização odienta”, nas palavras do próprio Ciro. Seu marketeiro, João Santana, que também já foi marketeiro do PT em outras eleições, resolveu adotar a estratégia do voto 2 em 1. Você vota em 1 (Ciro Gomes) e tira os dois (Lula e Bolsonaro).

Vice caseiro

Sem um nome para a vice e sem a perspectiva de fechar alianças partidárias para o seu projeto, Ciro deve adotar uma solução caseira para compor a chapa: um nome do próprio PDT deve ser indicado para vice. Até o momento, o nomes mais fortes para ocupar a vaga são os da senadora Leila Barros, pré-candidata a governadora do Distrito Federal, e o da ex-reitora da USP, Suely Vilela. No entanto, a divulgação da escolhida para a vaga de vice só deve ocorrer no dia 5 de agosto, último dia do prazo.

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.