31.3 C
Rio Branco
7 agosto 2022 3:10 pm
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Sucuri-amarela de 4 metros é flagrada ‘almoçando’; veja vídeo

Flagrante impressionante mostra o momento em que a serpente captura um animal; registro foi feito na fazenda San Francisco, em Miranda

POR G1

CLIQUE AQUI para ver o vídeo.

Um flagrante impressionante mostra o momento em que um rato-do-campo vira “almoço” de uma sucuri-amarela, na fazenda San Francisco, em Miranda, região do Pantanal sul-mato-grossense. A sucuri gigante, de aproximadamente 4 metros de comprimento, ficou cerca de 15 minutos se alimentando do animal. Veja o vídeo acima.

Guia de turismo há mais de 15 anos na região, Roberta Coelho, 39 anos, descreve que o registro da sucuri se alimentando é algo “raro”. Segundo ela, mesmo tendo familiaridade com os animais silvestres, o momento foi de emoção.

O flagrante aconteceu durante um passeio com 27 turistas no Pantanal. Os visitantes ficaram encantados com a beleza e a proximidade da sucuri, que não se importou com a presença deles.

“Foi um momento muito especial, estava guiando um safári, quando percebi algo amarelo brilhando na trilha. Paramos e vimos que era uma sucuri que tinha entrado no meio da vegetação para predar um rato-do-campo”, disse ao g1.

Roberta destaca que o vídeo foi gravado após um tempo de observação e respeito ao animal. A guia pontuou que o turismo feito na região do Pantanal de Mato Grosso do Sul é o de contemplação, sendo realizado apenas avistamentos.

“Ficamos alguns minutos admirando a sucuri, mas sempre respeitando o espaço dela. Seguimos alguns protocolos de não tocar na fauna e flora da região”, disse.

De acordo com o biólogo Pedro Guimarães, o processo de digestão da serpente pode levar semanas, o que varia de acordo com o tamanho da presa. “O processo de digestão da sucuri é longo, e pode levar mais de 20 dias. Como ela predou um rato, o processo não deve ser mais rápido”, disse.

A sucuri é uma cobra da família Boidae, pertencente ao gênero Eunectes e sua distribuição geográfica é restrita à América do Sul. Apesar de não serem ágeis em ambiente terrestre, elas são muito rápidas dentro d’água podendo ficar até 30 minutos sem respirar.

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.