Forças armadas da Bolívia ocupam postos de combustíveis para evitar compra por acreanos

Nas cidades de fronteira com o Brasil, gasolina e diesel são adquiridas em grandes quantidades para ‘venda ilegal‘

As forças armadas da Bolívia, incluindo o exército, ocupam militarmente os postos de combustíveis do país nas regiões de  fronteira com o Brasil, como é o caso das cidades de Epitaciolândia e Brasiléia, no Acre, para evitar que brasileiros adquiriam gasolina e óleo diesel para venderem no território brasileiro, de forma clandestina.

Nas cidades de fronteira com o Brasil, gasolina e diesel são adquiridas em grandes quantidades para’ venda ilegal/Foto: Reprodução

O governo boliviano e os revendedores de combustíveis acusam brasileiros de aproveitaram os preços baixos dos produtos na Bolívia para comprá-los  e os comercializarem em quantidades elevadas fora do país, de forma contrabandeada.

As operações militares nos postos de combustíveis começam nesta quinta-feira (13), nas cidades de Guya-Merin, que faz fronteira com Guajará Merim, em Rondônia, e em Cobija, na fronteira com o Alto Acre.

O governo da Bolívia justifica as operações informando que é necessário garantir o abastecimento e atender a demanda interna, com os usuários há várias semanas estacionados em longas filas de veículos em busca de abastecimento de diesel e gasolina.

As Forças Armadas estão mobilizadas nos diferentes postos de abastecimento do país para impedir o desvio ilegal de combustível. Uma medida semelhante está sendo realizada na fronteira da regional com Epitaciolândia e Brasiléia, onde está sendo reforçando fiscalizações, para evitar entrada e saída de alimentos (secos e molhados).

“Temos feito um esforço para garantir, por isso orientamos as Forças Armadas a contribuir com o abastecimento. Haverá militares nos postos de serviço”, anunciou o presidente da Bolívia, Luis Arce em entrevista coletiva, em La Paz.

Luis Arce, presidente da Bolívia/Foto: Aizar Raldes AFP

A operação será realizada com militares armados com metralhadoras. Eles darão plantão nos postos para evitar contrabando, principalmente de gasolina. “Nas fronteiras estamos reforçando o controle militar para evitar justamente que os alimentos que os bolivianos produzem com tanto esforço saiam por mãos irresponsáveis, que buscam apenas o lucro individual e não pensam nas necessidades coletivas”, acrescentou o presidente Arce, lembrado que países vizinhos como Argentina e Brasil tornaram-se destinos de produtos bolivianos como tomate e arroz devido à sua alta demanda.

PUBLICIDADE
logo-contil-1.png

Anuncie (Publicidade)

© 2023 ContilNet Notícias – Todos os direitos reservados. Desenvolvido e hospedado por TupaHost