Sem foro privilegiado, Senador Jorge Viana entra no olho do furacão da Lava Jato


Jorge foi citado na delação de Marcelo Odebrecht, onde pediu ao empresário R$ 2 milhões para a campanha do irmão

SALOMÃO MATOS, PARA CONTILNET

Com a limitação do Foro Privilegiado aprovado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) na quinta-feira (3), o senador acreano Jorge Viana (PT), pode estar muito encrencado e, com base na Lei da Ficha Limpa, pode ficar de fora nas eleições 2018 onde pretende garantir a sua reeleição.

Jorge, foi citado em delação premiada pelo executivo Marcelo Odebrecht, o empresario disse que o petista teria pedido ao empresário a quantia de R$ 2 milhões para a campanha do seu irmão Tião Viana, que na época, concorria à reeleição para governador do Acre, caracterizando uso de Caixa 2.

Jorge Viana/Foto: reprodução

Na delação, Marcelo explicou que a empreiteira da família dele doou R$ 500 mil de forma oficial e outros R$ 1,5 milhão em caixa dois reafirmando que o pedido foi feito diretamente por Jorge Viana (PT).

Além disso, Jorge Viana teria recebido propina para sua campanha ao senado. O ex-chefe do setor de Operações Estruturadas, considerado o departamento da propina da Odebrecht, Hilberto Mascarenhas, confirmou ter feito pagamento de R$ 300 mil à Jorge. O encontro para combinar o pagamento teria ocorrido no estado de São Paulo.

O pedido da doação a Jorge Viana foi feito pelo patriarca Emílio Odebrecht, segundo Mascarenhas. O codinome do senador nas planilhas da empreiteira era “menino da floresta”.

Mascarenhas diz não se lembrar do pagamento de R$ 2 milhões a Jorge Viana, há uma indicação do repasse ao codinome, no sistema da empresa, mas confirma que se o valor foi registrado é porque o pagamento “foi feito”.

Questionado pelos investigadores se o mesmo codinome poderia se referir ao governador do Acre, Tião Viana, Mascarenhas confirma: “É irmão dele né? Também é menino da floresta lá no mato”.

comentários

Outras Notícias

Veja Também