26.3 C
Rio Branco
14 junho, 2021 11:55 am

“Prefeitura está enxuta, organizada e em condições de fazer investimentos maiores”

POR ANDRÉ GONZAGA, DO CONTILNET

Com a desistência de Tião Bocalom (Progressistas), a prefeita Socorro Neri concedeu, nesta sexta-feira (28), entrevista de 20 minutos ao jornalista Jefson Dourado da TV Acre (filiada da Rede Globo) – substituindo o que seria o último debate às vésperas do segundo turno.

A candidata do PSB concorre à reeleição no próximo domingo (29) pela coligação ‘União por Rio Branco’, que é formada pelo PROS, Podemos, DEM, Solidariedade, PV e pelo PDT do vice da chapa, o advogado Eduardo Ribeiro.

Confira, em 12 tópicos, as propostas da atual prefeita para uma eventual renovação de mandato.

Candidata Socorro Neri (PSB) ocupa o segundo lugar na última pesquisa Ibope e luta para virar votos a seu favor [Foto: Assessoria]
Aliança política com Gladson Cameli
Eu continuo sendo a mesma pessoa que era antes, eu continuo defendendo as mesmas convicções, eu continuo sendo a mesma servidora pública que sou há 37 anos, que sirvo ao público, que me dedico à construção do bem coletivo. Alianças políticas, elas existem e têm objetivos claros. Nesse caso, em específico, o governador e eu nos aproximamos na pandemia, desenvolvemos afinidades, identificamos convergências e estamos trabalhando – buscando integrar as ações do Estado com as ações da prefeitura, de modo a fazer mais pela nossa cidade.

Falta de apoio no 2º turno
No primeiro turno já estava muito claro que os candidatos estavam todos eles alinhados, buscando atuar em conjunto para tentar me desestabilizar, com uma rede de ódio, uma rede de mentiras. E, de forma alguma, no segundo turno, ocorreu essa possibilidade [de isolar a candidata]. O que acontece, realmente, é que esse ajuntamento de políticos tradicionais, os chamados caciques – aqui na nossa cidade, têm objetivo claro, que é usar a prefeitura como trampolim, como moeda de troca para a eleição de 2022. E todos sabem que comigo não tem negociata, não tem jeitinho, não tem privilégios, favorecimentos. Eu busco trabalhar e tenho feito isso nesses dois anos, demonstrando de forma clara que o meu compromisso é com a população, é com a melhoria da nossa cidade.

Serviço de água e esgoto: Privatiza ou não?
É constitucional que cabe aos municípios o abastecimento de água, os serviços de água e de esgoto. Mas é constitucional, também, que se o Município fizer de forma pactuada com o Estado, como fez em 2012, o Estado pode também fazer a gestão desse serviço. De 2012 para cá, é preciso que se olhe o que o Estado fez no município de Rio Branco, em termos de investimento nos serviços de abastecimento e de esgoto. Porque, de fato, esse é um problema gravíssimo que nós temos hoje, é um dos maiores desafios da nossa cidade. Agora, não é colocando de forma abrupta, da noite para o dia – devolvendo o sistema para a gestão da prefeitura, que nós vamos melhorar esse problema, que vamos resolvê-lo. Vamos enfrentá-lo, buscando melhorar para oferecer serviços de melhor qualidade para a nossa população. Eu sou tão incomodada com essa situação quanto todos os outros moradores e moradoras de Rio Branco. O que eu tenho dito, hoje, é que a forma de solucionar não é privatizando, não é desestatizando. Eu segurei isso e não permiti. A forma de solucionar é numa gestão compartilhada do Estado com a prefeitura, de modo que a prefeitura possa ir aos poucos assumindo o sistema e, junto com o Estado, buscando fazer os investimentos que são necessários.

Sistema de água e esgoto compartilhado entre Estado e Município
Eu tenho a informação, ainda não oficial, de que, até outubro [2020], o sistema de água e esgoto do Acre, por meio do Depasa, arrecadou R$ 38 milhões do pagamento dos usuários. Mas o Estado teve que investir no Depasa mais de R$ 59 milhões do Tesouro estadual. Imagine se a prefeitura daria conta de assumir isso da noite para o dia, de uma vez só… é preciso fazer um plano de trabalho conjunto, de modo que a responsabilidade do Estado também seja mantida  com a capital, seja mantida com a população e os dois, Estado e prefeitura, possam fazer uma gestão profissional, séria, honesta, buscando enfrentar, de forma clara, a captação de recursos para os investimentos necessários, com a manutenção adequada que a cidade inteira está clamando.

Pandemia: Atendimento, medidas preventivas e fiscalização
Nós fizemos fiscalização, sim, a população inteira lembra do nosso compromisso de enfrentar a pandemia de frente, com a responsabilidade que cabia a mim, como prefeita, ao governador Gladson Cameli e a toda estrutura do Estado e da prefeitura. Houve todo um trabalho integrado de assistência. As unidades básicas de saúde entraram no atendimento, nós implantamos uma urap dentro da Sobral, a Urap Maria Barroso – que inclusive, agora, está com atendimento também nos finais de semana, nós implantamos o teleconsulta, nós fizemos a fiscalização devida, orientando e notificando – quando foi necessário. Enfrentamos de frente pela responsabilidade que temos. Agora, é evidente que se a população não participar, não entender como necessário o distanciamento e as medidas de proteção, não há governo algum que vá dar conta de uma tarefa grandiosa como essa.

Aulas do Ensino Infantil
Nós estamos trabalhando num plano, já desde o início da pandemia, e criamos um portal da educação, oferecendo atividades lúdicas, atividades educativas. De modo que, mesmo à distância, continuamos colaborando, contribuindo e cumprindo o nosso dever de apoiar o desenvolvimento de habilidades cognitivas dos nossos estudantes da Educação Infantil e até o 5º ano do Ensino Fundamental da rede municipal. Agora, nós estamos trabalhando no plano de integração do ano letivo de 2020 ao ano letivo de 2021, em ciclo e em sistema de ensino híbrido. É evidente que tudo isso caminha passo a passo com os indicadores da pandemia. Nós não podemos colocar nenhuma criança em risco. Nós não podemos colocar em risco os profissionais da educação que já tem uma idade mais avançada e nem deixar que as crianças levem para as suas residências risco aos parentes idosos, parentes com doenças crônicas. Há um cuidado, uma cautela muito grande que nós temos tratado essa questão. E vamos continuar tratando, acompanhando passo a passo os avanços dos indicadores da pandemia na nossa cidade, trabalhando o fortalecimento das atividades remotas para o atendimento das nossas crianças e, ao mesmo tempo, o planejamento para 2021.

Definição do nome do chefe do Executivo municipal sai ainda no domingo (29), após o segundo turno das eleições [Foto: Assessoria]
Vagas em creches
Esse é um desafio do país inteiro. A Educação infantil precisa avançar em termos de quantidade de vagas a serem ofertadas. Aqui, em Rio Branco, nós temos a segunda melhor abrangência de vagas em Educação Infantil da região Norte, com 18% das crianças atendidas. Nós vamos enfrentar esse problema. Todos que me conhecem, sabem que eu já tenho clareza disso. Quando eu assumo a posição, é porque vai ser possível realizar. Já em 2021, nós vamos criar 870 novas vagas na rede municipal. À medida que eu compreendo que a etapa mais importante da formação escolar é a educação infantil, nós também vamos criar condições de fazer parcerias com as entidades, buscando aumentar essa oferta de vagas em creche.

Moradia: Programa ‘Morar Melhor’
Recentemente, o governo federal lançou um programa chamado ‘Casa Amarela’, de modo que há uma linha de financiamento público, né, de apoio do governo federal, melhor dizendo, para que o Município ou o Estado possam voltar a fazer ações mais concretas e abrangentes. Na minha gestão, eu entreguei 90 casas ali no Santo Afonso. Eram casas que já estavam sendo construídas e eu estivesse nesse trabalho de fazer a entrega para essas famílias. E eu vi o quanto é importante quando uma família recebe uma casa. De fato, é algo que me dá expectativa positiva para o futuro. Nós também temos condições e vamos fazer isso de trabalhar com lotes urbanizados. O Município, inclusive, tem várias áreas em que nós podemos urbanizar lotes e fazer um trabalho para a nossa população, apoiando a moradia popular.

Infraestrutura
Nós já fizemos, de 2018 para cá, muitas ruas de bairros que estavam em situação intrafegável. Ruas que nunca haviam recebido pavimentação, receberam nesse período. Só nesse ano de 2020, nós fizemos 998 serviços de recuperação e/ou pavimentação de ruas aqui em Rio Branco. É evidente que essas ruas não estão no Centro da cidade, elas estão nos bairros da nossa cidade. E fizemos isso como? Economizando recursos próprios da prefeitura, economizando com combustível, com aluguel de imóveis, com aluguel de veículos. Fazendo a reforma administrativa, economizamos recursos próprios para que a prefeitura pudesse fazer o que está fazendo hoje, em todas as regionais da nossa cidade e também na área rural.

Mobilidade urbana e transporte público
Eu tenho dito que temos que atacar também, de forma urgente, a questão de financiamento do transpor público. Não dá para a gente continuar fazendo como a grande parte das capitais brasileiras fazem, mantendo o financiamento na conta de quem paga a tarifa. Esse sistema precisa ser renovado. Nós já fizemos duas etapas do que pensamos e planejamos para melhorar o transporte coletivo de Rio Branco. Quem mora ali no Tucumã e na parte alta da cidade, que utiliza os terminais de integração do Adalberto Sena e do Tucumã, sabe do que eu estou falando. Nós mudamos do sistema radial para o tronco alimentado. Esse sistema reduz tempo de espera, melhora o conforto – porque são ônibus grandes e com ares-condicionados – e também segura o aumento de custos. Essa é a inovação que nós queremos fazer na cidade inteira e vamos também encaminhar à Câmara Municipal, em breve, a criação de um fundo municipal para subsidiar o transporte coletivo.

Impostos, emprego e geração de renda
No que se refere à questão tributária, é uma questão em curso no Congresso Nacional com vários projetos. Portanto, não há como prever o que vai acontecer ano que vem, porque depende dessa medida do parlamento. Agora, no que se refere à geração de renda, a capacidade de uma capital como Rio Branco, ainda dependente das transferências fiscais para fazer um amplo programa de geração de emprego e renda, ela é muito reduzida. Eu não vou aproveitar a eleição para vender esperança, para enganar, para criar ilusões com ninguém. Mas o que nós temos feito, com muita dedicação, é criar condições para desburocratizar e para apoiar as empresas – inclusive agora no período da pandemia, gerar novas oportunidades e novos postos de trabalho para a construção civil, como nós temos feito com as obras da prefeitura, e também as vagas para as políticas públicas. O que vamos fazer, além disso? Nós vamos continuar buscando o diálogo com a classe empresarial, nós vamos continuar apoiando as ações de quem já está implantado em Rio Branco, buscando criar a infraestrutura necessária para que aqueles que não estão e queiram investir, possam vir investir na nossa cidade. Uma cidade melhor em matéria de infraestrutura, de iluminação pública e também, quem sabe, de segurança pública, porque são elementos que levam a atrair novos investimentos.

Zona rural: infraestrutura, produção e escoamento
Nós temos tido um olhar de enfrentar os desafios. É tanto que há várias comunidades aqui de Rio Branco que nesses dois anos receberam melhoramento, como Quixadá, Benfica, Catuaba, Barro Alto, Barro Vermelho e vários outros que vão garantir trafegabilidade de inverno a verão. Nós também temos dado apoio à mecanização, apoio ao escoamento da produção, apoio à comercialização e [apoio] à assistência técnica. O que é evidente é que essas ações precisam ser fortalecidas. E é o que nós vamos fazer agora que a prefeitura está enxuta, organizada, em condições de fazer investimentos maiores. E eu busquei, inclusive, o apoio da Emater, ano passado, para fazer uma parceria com a Secretaria Municipal de Agricultura, de modo a fazer uma assistência técnica mais abrangente. E isso, infelizmente, não foi possível. À época, o presidente da Emater, o candidato Tião Bocalom, não demonstrou, de fato, nenhum interesse, não tinha planejamento… Disse a minha equipe, no início de setembro de 2019, que o ano já havia acabado, que não havia mais nada a ser feito, deu um banho de água fria na minha equipe. Mas nós não desistimos, eu sou muito determinada. Nós vamos continuar melhorando a vida de quem produz no nosso município. [Foto de capa: Assessoria]