30 C
Rio Branco
6 maio, 2021 2:49 pm

Vidente que previu tragédia da Chapecoense, prevê surto de ebola no Acre

Valter ficou conhecido depois de ter previsto o acidente aéreo com o time da Chapecoense

POR EVERTON DAMASCENO, DO CONTILNET

O vidente Valter Arauto publicou em seu perfil no Facebook, no último dia 7 de abril, uma previsão aterrorizante.

Ele acredita que um possível surto de Ebola alcançará o Acre pela fronteira com o Peru.

“O SURTO DE EBOLA

Do levante do Oeste afora
O perigo do surto de Ebola
De um Tur sem controle
As notícias vindas do Peru”, escreveu.

Valter ficou conhecido depois de ter previsto o acidente aéreo com o time da Chapecoense, em 2016, que matou 71 pessoas, além de ter tido visões sobre tremores de terra que ocorreram no Acre.

Publicação do vidente no Facebook/Foto: Reprodução

Neste momento da pandemia do coronavírus, centenas de africanos e haitianos estão em abrigos no Acre, aguardando o governo peruano abrir a fronteira para que eles retornem aos países de origem.

A Guiné, país africano, declarou no último dia 14 de fevereiro um novo surto de ebola, após registrar pelo menos três mortes e quatro pessoas doentes no sudeste do país. Esta é a primeira vez que a doença reaparece na nação desde o pior surto de ebola no mundo, entre 2013 e 2016.

O que é o Ebola e como se pega?

Ebola é uma zoonose que possui como sintomas febre, dor de cabeça muito forte, fraqueza muscular, dor de garganta e nas articulações e calafrios. Metade dos pacientes infectados vão a óbito.

A doença é classificada como uma zoonose. Embora os morcegos frutívoros sejam considerados os prováveis reservatórios naturais do vírus Ebola, ele já foi encontrado em gorilas, chimpanzés, antílopes, porcos e em minúsculos musaranhos. Os especialistas defendem a hipótese de que a transmissão dos animais infectados para os seres humanos ocorre pelo contato com sangue e fluidos corporais, como sêmen, saliva, lágrimas, suor, urina e fezes.

Daí em diante, o vírus Ebola pode ser transmitido pelo contato direto entre as pessoas, pelo uso compartilhado de seringas e, por incrível que pareça, até depois da morte do hospedeiro. Ou ainda, caso o paciente tenha sobrevivido, o vírus Ebola pode persistir ativo em seu sêmen durante semanas. Possivelmente, uma das razões para ser tão mortal e resistente é que libera uma proteína que desabilita o sistema de defesa do organismo.

Com informações do médico Drauzio Varella.