19.3 C
Rio Branco
22 junho, 2021 2:58 am

Audiência entre Governo e Sintesac acaba sem acordo e paralisação continua

"Não estamos contentes e satisfeitos com o que foi apresentado na audiência", disse a presidente do Sinteac, Rosana Nascimento

POR EVERTON DAMASCENO, DO CONTILNET

Foi realizada na manhã desta quarta-feira (9), no Tribunal de Justiça do Acre (TJAC), a audiência entre o Governo, representado pela Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Cultura (SEE), e o Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinteac), para tratar das reivindicações dos profissionais que estão em movimento de protesto no Acre, com as aulas paralisadas.

Na ocasião, a secretária Socorro Neri apresentou ao Sinteac as 11 medidas anunciadas pelo governo na última quarta-feira (2), que têm a ver com o pagamento da Vantagem por Desempenho Profissional dos Professores (VDP), em um investimento que chega a R$ 17 milhões; contratação de novos docentes; adequação das escolas para a recepção dos alunos no retorno às atividades presenciais; retorno do adicional do ensino especial e uso de instrumentos como dedicação exclusiva e complementação de carga-horária.

Uma nova audiência foi marcada para a próxima quinta-feira (17), quando o executivo e a categoria vão decidir sobre o futuro da Educação no Estado.

“Apresentei as 11 medidas propostas pelo Governo do Estado, já anunciadas na última quarta-feira, 2, em coletiva com o governador Gladson Cameli, para que a educação do Acre siga avançando. Ainda hoje, a SEE encaminhará formalmente ao Sindicato essas propostas para apreciação, e na quinta-feira, 17, retomaremos a audiência para dar os devidos fins”, disse Socorro Neri ao ContilNet.

Nossa reportagem entrou em contato com a presidente do Sinteac, Rosana Nascimento, que afirmou que as propostas serão avaliadas na sexta-feira (11) pela assembleia aeral do sindicato. É provável que uma contraproposta seja elaborada e apresentada na próxima audiência. Até lá, as aulas seguem paralisadas.

“Não estamos contentes e satisfeitos com o que foi apresentado na audiência. Ainda não temos proposta de reajuste do piso, mudança nas carreiras dos professores e gestores, etc. Vamos apresentar as medidas adotadas pelo governo na semana passada e levadas hoje à audiência pela secretária, mas é bem possível que uma contraproposta seja elaborada. As aulas seguem paralisadas, até que tenhamos uma negociação de verdade”, disse a sindicalista.

“O que nos foi dito lá é que nós, enquanto educadores, precisamos nos preocupar com a situação das nossas crianças e adolescentes que estão sem aula, mas eles não devem se preocupar, também? Não se preocupam com os profissionais que estão sendo desvalorizados há tanto tempo?”, questionou.

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.