18.3 C
Rio Branco
24 junho, 2021 8:03 am

Voto impresso será retrocesso que amplia risco de fraudes e quebra de sigilo, diz Barroso

Presidente do TSE voltou a defender que o processo atualmente em vigor, com as urnas eletrônicas, "é seguro, transparente e, acima de tudo, auditável"

POR VALOR ECONÔMICO

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, disse nesta quarta-feira que a implementação do voto impresso seria um retrocesso que ampliaria os riscos de fraudes e pioraria o processo eleitoral no país.

Em audiência na comissão geral da Câmara dos Deputados sobre combate às fake news, voto impresso e sistemas eleitorais, ele voltou a defender que o processo atualmente em vigor, com as urnas eletrônicas, “é seguro, transparente e, acima de tudo, auditável”.

O ministro listou todas as etapas de auditoria a que os equipamentos eletrônicos são submetidos antes do dia das eleições e destacou que, como as urnas não são conectadas à internet, não são passíveis de invasões por hackers. “O tribunal tem participado do debate público no sentido desfavorável ao voto impresso, mas essa é uma decisão política. Agora, se o Congresso Nacional aprovar e o Supremo Tribunal Federal (STF) validar, vai ficar bem pior — parecido com o que era antes”, frisou.

Barroso afirmou que uma das preocupações do TSE é o custo para a implementação da medida, estimado em R$ 2 bilhões. O ministro lembrou que, por falta de dinheiro, o governo não realizou o Censo e as Forças Armadas não puderam proteger comunidades indígenas. “Então, talvez essa não seja a melhor alocação de recursos no momento, mas esse é um problema dos senhores. O nosso problema, no tribunal, é a dificuldade administrativa. Teremos que fazer licitação, elaborar projetos, fazer testes – o procedimento não é banal”, afirmou.

O ministro deixou claro, porém, que, se o Legislativo aprovar o voto impresso, não há risco de o TSE ignorá-lo. “Em boa fé, vamos tentar cumprir, e é possível haver representantes da Câmara e do Senado acompanhando cada etapa.”

Leia mais em Valor Econômico, clicando AQUI.

 

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.