23.3 C
Rio Branco
25 julho, 2021 10:05 am
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Seringas que ajudam menina a crescer viram asas de anjo em ensaio de fotos

Mãe percebeu que algo poderia estar errado quando não havia troca de roupa e calçados da menina. Quando iniciou tratamento, Manu tinha 1,14 metro e projeção atual é que ela chegue a cerca de 1,60 metro

POR G1

Aos 3 anos de idade da filha, quando raramente havia troca de roupas e sapatos, a psicóloga Marianna Ferreira Wormsbecher, de 36 anos, acendeu o alerta e percebeu que algo errado poderia estar acontecendo, já que a menina não crescia.

Foi quando os pais a levaram ao médico e tiveram o diagnóstico da falta do “hormônio do crescimento”, algo que a Manu aprendeu a lidar desde muito cedo e agora fez um ensaio com as milhares de seringas que ela mesmo aplicou, nos últimos 3 anos.

“Ela foi aquela criança que não perdia sapato, não perdia roupa e, aos 3 anos, estava usando roupa de bebê tamanho G. Nós então a levamos na endocrinologista e eles disseram que ela tinha deficiência do hormônio de crescimento. No entanto, não teria nenhuma outra implicação de saúde, só ficaria baixinha mesmo e aí começamos o tratamento aqui em São Gabriel (MS) mesmo”, afirmou ao G1 Marianna.

Menina participou de ensaio e levou todas as seringas que ela mesmo se aplicou nos últimos 3 anos — Foto: Aninha Clementtino/Arquivo Pessoal
Menina participou de ensaio e levou todas as seringas que ela mesmo se aplicou nos últimos 3 anos — Foto: Aninha Clementtino/Arquivo Pessoal

Na ocasião, a médica disse que a Manu deveria começar a aplicar seringas com o hormônio Somatropina, mas que deveria esperar alcançar os 7 anos de idade para começar o tratamento.

Depois de iniciada a aplicação do hormônio, Manu precisaria ser acompanhada a cada três meses.

“Nós esperamos o tempo [estabelecido pela médica] e retornamos, quando a médica explicou certinho como deveria ser aplicado e ela mesmo quis fazer nela. É ela quem, desde o início, pegou o ‘courinho’ da barriga e aplicou a injeção. Eu não queria fazer nada forçado, conversei muito com ela e inclusive chamei uma amiga nossa, que é baixinha, para falar com ela”, explicou Marianna.

Durante a conversa, Marianna explica que a amiga falou que, se tivesse a oportunidade, também teria feito o tratamento.

“Ela contou que era complicado, que é difícil de achar calçado, que roupa precisa ajustar quase tudo e ela também passou por situações complicadas, quando fomos em um parque aquático, por exemplo. Ela tinha idade, mas não tinha altura pra ir no brinquedo. Na escola, também ficou no banco de reserva uma vez porque as outras competidoras eram muito maiores”, relembrou.

Manu já cresceu 17 centímetros desde que iniciou o tratamento, segundo a mãe — Foto: Aninha Clementtino/Arquivo Pessoal
Manu já cresceu 17 centímetros desde que iniciou o tratamento, segundo a mãe — Foto: Aninha Clementtino/Arquivo Pessoal
Diariamente, conforme a mãe, Manu aplica as seringas pouco antes de dormir. “Ela foi guardando desde a primeira em uma garrafa pet. No total tinham oito garrafas. E como eu gosto demais de fotos, de fazer os registros, pensei em fazer uma ensaio com a simbologia dessa luta diária dela. Conversei bastante com a fotógrafa e ela foi muito parceira, me ajudou a formar a asa de anjo, teve toda a paciência ali e eu gostei demais do resultado”, comentou.

Quando iniciou o tratamento, Manu tinha 1,14 metro e, atualmente, está com 1,32 metro. Segundo a projeção atual dos médicos, ela deve chegar a cerca de 1,60 metro, e o tratamento deve ser interrompido quando ela tiver a primeira menstruação.

“Eu gostei de ir lá fazer o ensaio. Fiquei vendo aquela quantidade toda de agulhas e sei que lá na frente vou agradecer ainda mais por ter feito este tratamento. É uma conquista para mim”, comemorou.

No dia do ensaio, a mãe conta que Manu pegou uma caixa de sapatos para retirar as seringas da garrafa e se assustou ao ver que a caixa não comportava todas. Foi desta forma que ela percebeu que já tinha aplicado o hormônio inúmeras vezes.

“Eu falei sobre isso com ela e ela entendeu o quanto estava sendo forte e é um orgulho enorme que eu tenho. O tratamento vai continuar até quando ela quiser, nunca forcei nada”, explicou Marianna.

Manu escreveu um livro na escola para falar sobre o tratamento dela — Foto: Redes Sociais/Reprodução
Manu escreveu um livro na escola para falar sobre o tratamento dela — Foto: Redes Sociais/Reprodução

A fotógrafa Aninha Clementino, de 28 anos, disse que ficou encantada com o jeito da menina de lidar com o tratamento.

“Uma menina muito querida, educada, sempre com um sorriso no rosto, levando algo de forma muito leve e não demonstrando, de forma alguma, o peso que tem. Sou suspeita para falar, fiquei encantada com cada foto”, comentou.

Sobre a referência das asas, ela disse que a mãe já chegou com a ideia pronta e ela somente ajudou na montagem.

“A Manu estava nervosa no início, mas, depois ficou até brincando com a mãe dizendo que ela teria dificuldade para escolher as fotos, já que estava adorando. Eu falo que faço fotos com significado justamente por isso, porque são histórias particulares, de superação, que retratam toda a força e conquista dessas pessoas, de algo que foi vencido por elas”, finalizou.

Fotógrafa disse que ficou encantada com o jeito que menina lida com o tratamento — Foto: Aninha Clementtino/Arquivo Pessoal
Fotógrafa disse que ficou encantada com o jeito que menina lida com o tratamento — Foto: Aninha Clementtino/Arquivo Pessoal

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.