29.3 C
Rio Branco
26 junho 2022 4:21 pm

Com dipirona em falta no estado, Sesacre substitui medicamento por paracetamol

POR SECOM

Última atualização em 18/06/2022 10:38

O Brasil passa por uma fase de desabastecimento. A falta de medicamentos tem afetado não só farmácias, mas hospitais e unidades públicas de saúde por todo o País. O problema se dá pela ausência de matéria-prima para compor as substâncias e, também, a escassez de insumos para a produção de embalagens.

Segundo o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), uma ausência comum em todos os estados do país tem sido a dipirona monoidratada 500mg injetável. O remédio é um dos mais utilizados na rede de saúde pública, indicado para o tratamento de dor e febre. A principal empresa farmacêutica que produz o remédio, responsável por quase 60% da produção da dipirona hoje no Brasil, anunciou uma pausa nas operações por questões de mercado e parou de distribuir o remédio para as redes pública e privada.

O desabastecimento atinge a rede pública e privada de todo o país. Foto: reprodução.

No Acre, o medicamento tem sido substituído pelo paracetamol injetável. Recentemente a Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), recebeu uma doação de 200 mil bolsas do remédio, por meio da indústria farmacêutica Halexistar, sediada em Goiânia (GO). O valor da medicação doada é de aproximadamente R$ 500 mil.

“A alta dependência de matéria-prima que vem da Índia e da China, os maiores produtores do mundo vêm ocasionado esse problema. Os países estão em recessão por conta da covid-19. Somado a isso, temos outro problema de desorganização no sistema de produção da indústria farmacêutica. Faltam também insumos. Frascos, vidros, blister, conta-gotas. Às vezes, a indústria tem matéria-prima, mas falta o que embala o produto”, explicou a chefe do Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos (DAFI), Priscila Nogueira.

Outra dificuldade que diversos países além do Brasil enfrentam é quanto ao preço dos medicamentos, pois os Estados seguem critérios, regras estabelecidas pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED). Ou seja, uma secretaria de saúde não pode simplesmente ir a qualquer farmácia e comprar 10 ampolas de dipirona injetável, por exemplo. Existe cotação, e um fluxo para a própria segurança quanto ao uso do dinheiro público.

Em São Paulo, dos 134 tipos de medicamentos distribuídos pelo governo federal, 22 estão em falta no Estado (17% do total). Em Minas, dos 256 remédios distribuídos pela rede estadual, faltam 51 (20%). Nesta semana, o Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estados (SindHos) alertou para estoques críticos na rede privada.

O Ministério da Saúde informou que trabalha com a Anvisa para articular ações de emergência afim de resolver a situação.

É PERMITIDA SUA REPRODUÇÃO PARCIAL COM O SITE CONTILNETNOTICIAS.COM.BR SENDO LINKADO E CITADO.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Receba nossas notícias em seu email

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 6.087 outros assinantes

Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.