Rio Branco, Acre,





Vítimas da violência, motoristas de aplicativos estão em pânico e exigem providências


Profissionais se reunirão com secretário de Segurança nesta terça-feira, quando pedirão proteção para poder trabalhar em Rio Branco

TIÃO MAIA, PARA O CONTILNET

A onda de violência contra motoristas e proprietários de veículos de aplicativos de mobilidade urbana, como o Uber e seus concorrentes locais – Mobi Driver, Forest Car, Urbano Norte e outros –, com assaltos, espancamentos e ameaças, está causando pânico na categoria. Na última semana, pelo menos três membros da categoria foram assaltados e espancados por assaltantes. O medo de que aconteça o pior, como assassinatos, conforme já registrado em outras cidades do país, levou a categoria a se organizar e procurar as autoridades a fim de que possam vir a trabalhar com o mínimo de segurança.

Uma comissão de motoristas e proprietários de veículos registrados nas plataformas digitais será recebida na manhã desta terça-feira (19) pelo secretário de Segurança Pública, coronel Paulo Cezar Santos. “Vamos pedir socorro porque, do jeito que está, é impossível trabalhar, principalmente à noite”, disse Alyssson Gomes, de 41 anos, da Mobi Driver.

Motoristas pedem socorro às autoridades de Segurança Pública do estado/Foto: Tião Maia

“Se está perigoso para os motoristas homens, imagine para as mulheres”, afirmou Adriana Cambessa, 29, da Forest Car. Segundo ela, as motoristas, além do assédio, são as mais visadas pelos assaltantes. Cambessa trabalha na atividade há um ano e admite nunca ter sofrido um assalto, mas conta que muitos colegas de profissão estão desistindo da atividade por causa da violência.

Adriana: assédios e medo de assalto/Foto: Tião Maia

De acordo com Anísio Ramos, do aplicativo Urbano Norte, o modus operandi dos bandidos é sempre o mesmo: eles chamam os motoristas pelo aplicativo e, no caminho, durante a corrida, anunciam o assalto.

Foi assim que ocorreu com Jean, que pede para não ter sua identificação completa divulgada por temer a reação dos criminosos pelos quais foi espancado durante o roubo. Eles o chamaram para uma corrida no início do ano e, no meio do destino, anunciaram sua verdadeira intenção.

Em seguida, Jean foi amarrado e amordaçado com fitas crepe. “Eles me botaram no bagageiro do meu próprio carro. Passaram a madrugada rodando comigo e assaltando quem encontravam pela frente. Só amanhecendo o dia foi que me soltaram e disseram que não iriam me matar porque eu havia colaborado, ficando quieto”, conta Jean, que desistiu da atividade.

Profissão de rico

Quem viveu maus bocados também foi o motorista de Uber Leonardo Oliveira, de 23 anos. No último 14, uma quinta-feira, por volta das 9 horas da manhã, ele fez uma corrida do centro da cidade rumo ao bairro Irineu Serra, adjacências do Defesa Civil, em Rio Banco, transportando uma mulher e uma criança. Após a corrida, quando estava fazendo o retorno para o ponto de origem, foi abordado por três homens, com idade estimada entre 25 a 40 anos, todos armados. “Não eram moleques”, definiu a vítima.

Eles os apontaram as armas e pediram que dirigisse até o bairro Conquista, nas imediações do Horto Florestal. “Aparentemente, eles estavam à procura de alguém, para matar. Como a residência estava vazia, eles se apoderaram do meu celular e me colocaram no bagageiro do carro”, contou o motorista. Mas foi aí que, para a sorte da vítima, cometeram um erro.

Alysson revindica o direito de poder trabalhar/Foto: Tião Maia

“Na tentativa de desligar meu celular, já que eles sabiam que seriam seguidos, mas como não queriam se desfazer do aparelho, acabaram por apertar o botão do pânico, uma alternativa de segurança que nós temos, e assim meus companheiros conseguiram avisar a polícia”, diz Leonardo.

“Ao perceberem que estavam sendo perseguidos, ainda comigo no bagageiro, eles tocaram para um ramal no Irineu Serra e acabaram atolando o veículo e fugindo pela mata. Foi quando a polícia me achou e me retirou do porta-malas”, contou o motorista.

Leonardo, ao contrário de Jean, apesar do trauma, já voltou a trabalhar. “É a única alternativa de sobrevivência que eu tenho. Como preciso sustentar a família, o jeito é correr o risco”, disse. Ele não se permite ser fotografado porque teme ser de novo encontrado pelos bandidos, que continuam soltos. “Eles diziam que tinham que me matar porque eu tinha visto o rosto deles. Se meus colegas não agissem rápido, eu não mais estaria aqui, contando a história”, disse.

Willian Lima/Foto: Tião Maia

Willian Lima de Moura, 31 anos, também motorista de Uber, viveu outra experiência de amargar, em dezembro do ano passado. Ele conta que foi chamado para uma corrida por três homens e, chegando ao local da chamada, percebeu que os futuros passageiros estavam armados.

“Eles pediram para eu desviar a rota e ir para Acrelândia. Como eu disse que não fazia transporte intermunicipal, eles deixaram claro que estavam armados e que eu tinha que ir. Mas no caminho consegui acionar meus colegas e eles chamaram a polícia. Eles me abandonaram e fugiram”, disse Willian, que está certo de que os homens queriam seu carro, na época avaliado em R$ 50 mil.

Mesmo na zona urbana, principalmente à noite, para escapar da violência, a saída é deixar de atender algumas corridas, para determinados bairros. Os que estão na lista dos mais perigosos são Taquari, Preventório, Conjunto Esperança e a chamada parte alta da cidade, onde está o bairro São Francisco. “Correr para esses bairros é fatal”, disse Ricardo Silva Lopes, 35 anos, e motorista de Uber desde que ficou desempregado, há sete meses. “Sei que estou perdendo dinheiro, mas não vou”, disse.

Resposta da Sesp

Paulo Cezar Santos, o secretário de Segurança ao qual a situação vai ser denunciada, disse que primeiro precisaria ouvir a demanda dos motoristas e proprietários de carros de aplicativos para estudar as providências a serem tomadas.

Secretário Paulo Cezar/Foto: reprodução

“Vamos fazer a mesma coisa que um diz fizemos com taxistas. Os motoristas são nossos parceiros e estou certo de que vamos encontrar um caminho”, disse o secretário.

Além da Secretaria de Segurança Pública, os motoristas de aplicativos devem fazer uma verdadeira peregrinação pela Assembleia Legislativa e Câmara de Vereadores. “Nós vamos procurar nossos representantes políticos porque é de vidas humanas que estamos tratando”, disse Fábio Araújo, outro motorista que se acha ameaçado.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste portal. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comentários

comentários






Outras Notícias

Veja Também