Rio Branco, Acre,


Bolha do sexo: entenda método e saiba se é eficaz para transas casuais na pandemia

Derivada da bolha social, a tática consiste em definir parcerias fixas (sem relacionamento sério) e estabelecer regras para os encontros

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, uma das preocupações dos solteiros é como ficaria o sexo casual durante a quarentena. Com o passar do tempo e a flexibilização das medidas de segurança, começaram a aparecer algumas soluções.

Para além de higienização, sexo com máscara, entre outros, um dos métodos sugeridos foi a bolha do sexo. A prática é derivada da bolha social, que foi apresentada como medida de retomada na Nova Zelândia.

A bolha sexual consiste em, em outras palavras, encontrar um “contatinho fixo” para se relacionar durante o período em que ainda há risco de contaminação. A partir da escolha, os parceiros devem alinhar regras em relação aos encontros entre si e com outras pessoas.

A sexóloga da plataforma Sexo Sem Dúvida, Jéssica Siqueira, explica que, em tempos de pandemia, um parceiro sexual fixo não precisa significar um relacionamento sério.
“A exclusividade aqui é diferente. Não é porque você está participando de uma bolha sexual com a pessoa que obrigatoriamente está namorado, ou algo assim”, explica.

É seguro?
Uma vez que o contágio do coronavírus acontece por proximidade e contato com gotículas, afirmar que o método é 100% seguro é impossível (sexo = contato e gotículas). Mas, certamente, manter uma parceria física diminui as chances.

Contudo, é importante frisar que o conceito de bolha sexual só dá certo se a exclusividade for levada a sério pelas duas partes. A bolha social, por exemplo, é considerada falha por alguns especialistas pelo fato de que as bolhas das pessoas acabam se misturando eventualmente.

Com a bolha sexual, isso não pode acontecer. “Para funcionar, é preciso um contrato entre ambos, em que se comprometem a serem sinceros e manterem-se fixos. Se acontecer essa mistura, logo aumentam as chances de contágio, e o conceito da bolha perde o sentido”, afirma a especialista.

Masturbação amiga
Vale lembrar que, ainda que a quarentena já não esteja mais tão restrita quanto antes, a vacina ainda não saiu e todo cuidado é pouco. Logo, sempre que for possível não se expôr, essa será a melhor opção.

Para, mesmo assim, manter a vida sexual ativa e saudável, a psicóloga recomenda como 100% seguras a autoerotização e masturbação, sem contar o sexo a distância.

“Na busca pelo prazer solo, vale usar brinquedos eróticos, trocar nudes (com todas as medidas de segurança para preservar sua privacidade), sexo virtual ou o famoso sexting que é a troca de mensagens eróticas, mais conhecidas como o sexo por mensagens”, diz.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste portal. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comentários

comentários


Recomendado para você

Últimas Notícias

Scroll Up