22.3 C
Rio Branco
25 setembro 2021 2:13 am

O fim de uma saga: Bocalom perdeu seis eleições antes da vitória; relembre

POR LEANDRO CHAVES, DO CONTILNET

Última atualização em 01/12/2020 08:03

Chegou ao fim neste domingo (29) a saga de Tião Bocalom para vencer uma eleição no Acre. Após 14 anos lutando por um mandato, ele se consagra o grande ganhador do pleito de 2020 em Rio Branco, com boa vantagem sobre todos os adversários, tanto no primeiro quanto no segundo turno.

Desde 2006, quando renunciou à prefeitura da pequena Acrelândia, foram seis candidaturas ao Executivo, entre governo do estado e prefeito da capital, e uma à Câmara dos Deputados.

A primeira derrota veio já em 2006 para o governo. Na época filiado ao PSDB, Bocalom ficou em terceiro lugar, perdendo para Binho Marques (PT), que foi eleito no primeiro turno, e para Márcio Bittar, então no PPS.

Dois anos depois, o projeto Produzir para Empregar, capitaneado pelo candidato, amargou a primeira derrota para a prefeitura de Rio Branco, ficando novamente em terceiro lugar. Naquele pleito, Raimundo Angelim (PT) conquistou seu segundo mandato. O hoje aliado Sérgio Petecão (PSD) era adversário na disputa e foi o segundo mais votado.

Em 2010, Bocalom, ainda no PSDB, cresceu na preferência do eleitorado e por 0,82% dos votos não foi para o segundo turno contra o petista Tião Viana, que venceu o pleito de primeira.

Em 2012 veio mais uma eleição municipal e lá estava Bocalom disputando contra uma cara nova do PT, Marcus Alexandre. O então tucano obteve um feito inédito até então: ir para o segundo, porém sem sucesso. Ele obteve 49,23% dos votos válidos e quase chegou lá.

Meses depois, deixou o PSDB e foi para o DEM, por onde disputou o governo do Acre em 2014, perdendo para Tião Viana (PT) e o então tucano Márcio Bittar. O petista foi reeleito no segundo turno.

Em 2016, após sucessivas derrotas, decidiu não participar das eleições.

Bocalom largou o DEM e migrou para o PSL durante o auge do bolsonarismo e em 2018 tentou uma das oito cadeiras na Câmara dos Deputados, em Brasília. O candidato obteve 21.872 votos, sendo o quinto mais votado. No entanto, ficou de fora da legislatura por conta do quociente eleitoral.

Agora no Progressistas, o prefeito eleito de Rio Branco assume seu primeiro mandato eletivo em 14 anos no dia 1º de janeiro de 2021. Ele derrotou Socorro Neri (PSB) no segundo turno com 62,93% dos votos válidos.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
É permitida sua reprodução total ou parcial desde que seja citada a fonte. Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.