28.3 C
Rio Branco
18 junho, 2021 1:17 pm

Arte Ambiental: exposição da artista Dill Marques apresenta espécies de aves acreanas

Com entrada gratuita, as obras ficarão expostas na sede da SOS Amazônia (Rua Pará, 61), de 18 a 25 de maio, das 8h as 12h e das 14h as 17h

POR ASCOM

Reunir arte, ciência e meio ambiente é a proposta da bióloga e artista plástica Dill Marques, que realiza sua primeira exposição: “Arte Ambiental – Aves que despertam nossos sentidos”. O trabalho apresenta dez telas com diferentes espécies de aves encontradas no bioma Amazônia e algumas só no nosso estado. Com entrada gratuita, as obras ficarão expostas na sede da SOS Amazônia (Rua Pará, 61), de 18 a 25 de maio, das 8h as 12h e das 14h as 17h.

Devido à pandemia do coronavírus, as visitas devem ser agendadas por meio do telefone/whatsapp (68)99961-7599. A exposição é fruto de um projeto contemplado pela lei Aldir Blanc, financiado pelo Governo Federal, por meio da Fundação Elias Mansour e conta com o apoio da SOS Amazônia.

A ideia surgiu durante a pesquisa de mestrado em Ecologia feita pela artista em 2014. Ao estudar como a degradação do meio ambiente afeta as espécies de aves no estado do Acre, Dill sentiu a necessidade de não apenas alertar a população sobre tais riscos, mas também de compartilhar a paixão que acabou criando pelos pássaros. Em suas telas, a artista se embasou cientificamente para reproduzir cores, formas e proporções e deixou sua sensibilidade fluir na construção de imagens, cenários e histórias dentro das obras. Para além das telas, as informações científicas e biológicas completam a experiência artística, com o intuito de familiarizar o público com o conhecimento científico.

“Quando eu terminei o mestrado eu estava completamente encantada pelas aves e queria que todo mundo se apaixonasse como eu me apaixonei. Normalmente quando as pessoas olham rapidamente para as florestas só veem o verde, mas quando a gente tem a oportunidade de adentrar, ver e estudar os bichos a gente percebe que existe muito mais. No caso das aves, muitos não sabem que temos essa variedade aqui.”, conta Dill.

Para escolher as espécies registradas, Dill teve critérios artísticos (cores e plumagens que chamam atenção) e ecológicos (espécies com risco de extinção e em sua maioria, que só são encontradas no estado do Acre). É o caso da “Choca – do – Acre”, espécie encontrada no Peru e Brasil. Mas que no nosso país, foi registrada apenas no Parque Nacional da Serra do Divisor, no extremo oeste do estado do Acre.

“Por serem espécies de distribuição restrita e serem bem sensíveis aos impactos do meio ambiente, elas podem ser extintas caso o habitat delas seja deteriorado. Vai ser uma perda mundial, não apenas local”, explica a bióloga.

Após a exposição, Dill pretende vender as obras e doar uma porcentagem das vendas para os projetos da ONG SOS AMAZONIA, apoiadora do projeto. “Conectar conservação com a arte é algo necessário para tocar as pessoas. A parceria com a Dill nos permite fazer isso, especialmente por chamar atenção para as aves, as primeiras a sofrer com a retirada das florestas e das árvores. Além de revelar a beleza das espécies, Dill nos remete a ameaça que o ser humano promove ao não considerar importante preservar a natureza”, afirma Miguel Scarcello, secretário geral da instituição.

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.