20.3 C
Rio Branco
22 julho, 2021 12:40 am

Em Cruzeiro do Sul, governo e Mapa monitoram plantios com suspeitas de monilíase

O diretor técnico do Idaf, Jessé Moreira, destaca que o fungo não contagia humanos

POR SECOM

Foi no bairro da Cohab, localizado na periferia de Cruzeiro do Sul, que surgiram, em pomares de cacau e cupuaçu, os primeiros focos no Brasil da doença conhecida por monilíase, causada pelo fungo Moniliophthora roreri. A informação foi divulgada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), no último dia 8 de julho.

A partir disso, o governo do Acre, por meio do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf), em parceria com membros do Mapa, realiza força-tarefa para monitorar plantios da região.

E na manhã desta terça-feira, 13, as equipes realizaram busca ativa por novos casos nas imediações e chegaram à residência do agricultor Luiz Homi da Silva, no bairro do Formoso, para realizar colheita de frutos e nivelamento de serviços que se estenderão ao longo da semana.

Visitas serão feitas a residências que apresentem suspeitas da doença. Foto: Erisney Mesquita/Secom

O Mapa informa que tem a meta de erradicar os focos da doença, evitando que ela se propague para a zona rural do município.

“Estamos delimitando, agora, até onde se espalhou a praga. A partir disso, visitaremos várias casas onde existam plantações de cacau e cupuaçu. A Defesa Agropecuária já coordenava um plano de monitoramento e esse risco era previsto. Agora, alertamos e distribuímos cartilhas aos produtores, para que observem suas plantações, higienizem todo o manejo dos alimentos e também dos materiais que levam ao campo. Com esses cuidados, vamos evitar que o estado vire uma área onde a praga cresce”, informou Juliana Alexandre, chefe da Divisão e Prevenção de Pragas do Mapa.

O Idaf realiza o trabalho de identificação dos focos da doença e notifica-os ao Mapa. “Nossas ações se iniciam quando deslocamos equipes a propriedades em que suspeitamos haver casos da praga. Lá, o técnico avalia se existe ou não a necessidade da vinda de outras equipes para confirmar a existência de casos de monilíase. O Acre era considerado de alto risco, por fazer fronteiras com com o Peru e a Bolívia, países que registram um índice elevado da doença”, esclareceu Alex Elias de Paula, chefe do Departamento Sanitário do Idaf.

O diretor técnico do Idaf, Jessé Moreira, destaca que o fungo não contagia humanos e reforça o pedido, aos produtores das frutas, que acionem o órgão quando surgir suspeita da doença.

“O governador se prontificou a usar toda a estrutura para apoiar os trabalhos de contenção da doença no estado. Estamos planejando criar barreiras sanitárias no posto fiscal da Tucandeira, na divisa com Rondônia, e também no posto de fiscalização do Guajará, no Amazonas. Vamos seguir com buscas por novos casos. Caso não existam, vamos encerrar os trabalhos por aqui. Se surgirem, vamos seguir até identificar a sua origem”, explicou Jessé Moreira.

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.