30.1 C
Rio Branco
13 outubro 2021 9:03 pm

Homem acusa ex-esposa de sequestrar filho e ir ilegalmente para os EUA: ‘Agiu pelas minhas costas’

Na Justiça, homem pede guarda unilateral alegando que a mãe teria colocado a criança em risco ao fazer uma travessia ilegal. Mulher nega ter entrado no país ilegalmente.

POR G1

Última atualização em 05/10/2021 16:13

Um morador de Rondônia acionou a Justiça e a Polícia Federal (PF) para denunciar um suposto sequestro internacional de criança. Segundo Álefe Freitas, de 27 anos, há seis meses seu filho foi levado para os Estados Unidos (EUA) de forma ilegal pela ex-esposa, Ângela Turmina, e desde então ele não viu mais a criança. Isso aconteceu após o homem assinar uma autorização de viagem: “Agiu pelas minhas costas”.

Com o documento de viagem assinado por Álefe, a mulher teria retirado o filho deles de Ji-Paraná (RO) e entrado ilegalmente nos EUA.

Segundo Álefe, a ex-mulher fez a travessia em abril deste ano com duas crianças: o filho deles, que na época tinha quatro anos, e a filha que ela teve em outro casamento, de oito anos. Ângela nega ter entrado nos EUA ilegalmente.

Depois de procurar ajuda em vários órgãos públicos, Álefe entrou com uma petição na Justiça no fim de setembro pedindo a guarda unilateral, sob a alegação que a mãe colocou em risco a vida da criança fazendo uma travessia ilegal, além de tirá-la do meio familiar e da escola de forma abrupta.

“Eu durmo e acordo pensando em trazer meu filho. Eu sonho com ele todo dia”, lamenta o pai.

De acordo com a convenção da Haia, que regulamenta processos como este entre países, o pai precisa contratar um advogado nos Estados Unidos — onde a criança está — para entrar com uma ação de busca e apreensão. No entanto, o valor mínimo que Álefe conseguiu encontrar para a prestação desse serviço é equivalente a mais de R$ 50 mil.
Leia a matéria completa em G1, clique AQUI! 
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
É permitida sua reprodução total ou parcial desde que seja citada a fonte. Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.