29.3 C
Rio Branco
1 julho 2022 12:33 pm

Dupla diz ter provas de ser autora de 15 músicas de Alok e vai processar DJ; ele se diz ameaçado

Advogado do duo americano Sevenn diz que Alok quis impor cláusula de R$ 2 milhões para que não falassem mal dele; advogado do brasileiro diz que ele é alvo de 'acusações levianas'

POR G1

Última atualização em 22/01/2022 09:27

Eduardo Senna, advogado do duo Sevenn, disse ao g1 eles vão entrar com uma ação contra Alok pelo uso sem crédito nem pagamento de 15 músicas do DJ. Eles dizem que eram “produtores fantasmas” e que Alok lucrou com o trabalho deles “sem oferecer nada em troca”.

O advogado também disse que Alok tentou impor uma cláusula de silêncio, que previa multa de R$ 2 milhões a cada vez que o duo falasse mal do DJ publicamente (ou o inverso, que o DJ falasse do duo), para evitar que a denúncia viesse a público.

Alok nega as acusações. Veja abaixo os detalhes das versões de cada lado.

A acusação do Sevenn surgiu em reportagem da “Billboard” nesta sexta-feira (21). Eles disseram à revista que estavam avaliando a situação jurídica. Agora, Eduardo Senna disse ao g1 que já está organizando as provas para entrar com o processo em até quatro semanas.

As provas incluem arquivos de áudio das músicas gravados pelo Sevenn anos antes de terem sido lançadas por Alok, com registros de envio para o DJ, afirma o advogado.

Alok se diz ameaçado e cita empresário sertanejo por trás

Robson Cunha, advogado de Alok, disse ao g1 que o DJ está sendo ameaçado pela dupla, e que foram eles que lançaram 6 músicas feitas por Alok sem crédito para o brasileiro. Ele entrou com uma ação no dia 12 de janeiro de 2022 contra o duo citando estas músicas.

O advogado questiona o fato de Sevenn ter feito a denúncia na “Billboard” e não na justiça. Ele vê a reportagem como uma ameaça a Alok. Robson também diz ter provas do uso indevido das 6 músicas do Seven, como mensagens e arquivos originais do computador de Alok, que será periciado.

Ele afirma que Marcos Araújo, ex-empresário de Alok, incentivou o Sevenn a fazer as denúncias após romper com o DJ. No fim da tarde de sexta-feira (21), após o g1 falar com o Robson, Alok divulgou vídeos em que reproduz vários argumentos do advogado.

Alok repete que nunca recebeu uma notificação do Sevenn, que eles deveriam ter procurado a justiça, que eles não o creditaram na música “Boom”, que o Sevenn apenas fazia masterizações e dava “sugestões”, mostra alguns projetos e diz que eles estão sendo manipulados por Marcos Araújo.

Cada lado conta histórias opostas de ameaça e plágio. Veja o que disse a ‘Billboard’ e as versões dos dois lados para o g1:

A acusação na ‘Billboard’

Segundo Sevenn, eles trabalharam como “produtores fantasmas”. “Começamos a perceber que ele estava lucrando enormemente com nosso trabalho sem oferecer nada substancial em troca”.

É normal no mercado da música eletrônica a função de “ghost writer”, em que produtores atuam sem crédito, mas eles são remunerados pela função.

O Sevenn enviou à revista e-mails e mensagens trocadas com Alok por mais de 6 anos, e gravações do DJ discutindo detalhes das músicas e fazendo pedidos. As faixas citadas na reportagem são:

  • “Un ratito” (Alok, Luis Fonsi, Lunay, Lenny Tavárez e Juliette)
  • “Favela” (Alok e Ina Wroldsen)
  • “Fuego” (Alok e Bhaskar)
  • “Suave” (Alok e Matheus & Kauan)
  • “Got To Get a Grip” (remix de Mick Jagger)
  • “Piece of Your Heart” (remix de Meduza)
  • “BYOB” (remix de System of a Down)
  • “All I want” (Alok e Liu)
  • “Favela” (Alok e Ina Wroldsen)
  • “Suave” (Alok e Matheus e Kauan)
  • “Piece of your heart” (remix de Alok para Meduza)

A versão do Sevenn

 

Sevenn — Foto: Divulgação
Sevenn — Foto: Divulgação

Os irmãos Sean e Kevin Brauer, que formam o Sevenn, foram criados na comunidade religiosa Meninos de Deus, do Rio. A parceria entre Sevenn e Alok teve início em 2015.

Eles foram contratados pela empresa de agenciamento Artist Factory, uma sociedade de Alok com o empresário Marcos Araújo, dono de outra empresa, a AudioMix. Alok era parte do elenco da AudioMix, mas rompeu com a Marcos, assim como vários outros artistas.

O contrato do Sevenn com a Artist Factory valia até 2027 e previa multa de recisão de R$ 20 milhões. Segundo Eduardo Senna, há três anos, quando o Sevenn começou a pedir informalmente a Alok para reconhecer a autoria deles nas músicas, a multa de recisão foi usada como fator de pressão.

“Eles diziam: ‘Se não quiser pagar a multa, assina esse documento reconhecendo que o Alok nunca roubou nenhuma música sua e a gente te libera. Caso contrário, a gente não vai lançar nada, fazer nenhum show, acabar com sua carreira'”, descreve o advogado. “Eles não assinaram e me procurarm.”

“Eu liguei para o advogado do Alok e perguntei: afinal, vocês estão de acordo em liberar o Sevenn? Ele veio com um papo ensaboado, que queria liberar, mas tinha medo de saírem falando mal do Alok. Eu disse: não tem problema, a gente bota uma cláusula de ninguém dar declaração pública sobre o outro.”

“Fiz o texto do distrato e mandei para ele. Aí ele me mandou com considerações. Eu tinha colocado uma multa básica, mas ele passou para R$ 2 milhões por evento. Ou seja: a cada vez que alguém falasse mal do outro, a multa era de R$ 2 milhões”.

(O g1 voltou a procurar o advogado de Alok, Robson Cunha, para saber se ele realmente propôs este valor na cláusula de silêncio como condição para liberar o Sevenn do contrato. Ele disse que o acordo não foi feito, portanto a cláusula de silencio nunca existiu, e que cabe ao Sevenn provar o que diz.)

Eduardo continua: “Ele inseriu outra cláusula dizendo que o Sevenn declarava que não tinha nenhuma demanda de direito autoral com o Alok, que ele não tinha pegado nada. Aí marcamos uma reunião, eu, o Robson e o Alok.”

“E eu disse para o Alok: “Deixa eu fazer uma pergunta clara: Você está condicionando liberar o contrato a dizer que não teve rompimento de direito autoral?’. Porque eu conversei com o Sevenn e ele disse que houve, que ele não tinha intenção de reivindicar, mas que se sentia chantageado.'”

“O Alok me deixou muito claro, pessoalmente, com todas as letras, que ele não liberaria em nenhuma hipótese sem essa declaração, que ele usaria toda a popularidade e a máquina que ele tem para acabar com a carreira do Sevenn, e que não queria mais conversa.”

Mas veio uma reviravolta:

“O Marcos Araújo também é socio da Artist Factory, foi contra essa chantagem e assinou o distrato. Ele pode assinar sozinho, pois é sócio majoritário e o sócio-diretor. O Alok estava fazendo a chantagem pelas costas do sócio dele.”

(A equipe de Alok diz que Marcos não poderia assinar unilateralmente e que o Sevenn não está liberado do contrato com a Artist Factory).

“Ele entrou com a ação [dizendo que o Sevenn tinha lançado seis músicas de Alok] no mesmo dia que eu informei para ele que o distrato estava assinado. Ele entrou com essa ação sem pé na cabeça, para ter alguma coisa para dizer para a mídia quando a matéria saísse.”

“O Sevenn vem pedindo reconhecimento da autoria há quase três anos, mas de forma amigável entre eles. Até pela história de vida deles (em uma comunidade cristã), alijados do mundo real, isso é totalmente compreensível. Eu entrei nesse circuito há menos de um mês.”, ele afirma.

“Vamos entrar com uma ação judicial séria, profissional e bem documentada, e isso não se faz de um dia para o outro.Todas essas músicas têm gravações de anos anteriores, com datas e registro do envio do arquivo para o Alok e para o time dele. Vamos entrar daquie a duas a quatro semanas.”

A defesa – e a acusação – de Alok

Alok — Foto: Divulgação
Alok — Foto: Divulgação

“No ano passado, o Alok rescindiu o contrato com a Audiomix e com o Marcos Araújo. A partir daí ele vem sofrendo uma série de perseguições”, diz o advogado Robson Cunha.

“O Sevenn estava usando obras do Alok sem os devidos créditos, Nós entramos com o processo. Sofremos ameaça dizendo que não tirássemos a ação eles iam fazer isso aí, ia para a mídia causar esse tumulto. Acontece que nós nunca cedemos.”

“Depois disso, eles, sem nenhuma prova, nenhum documento, vão atrás da ‘Billboard’, muito possivelmente orientados pelo ex-empresário do Alok, que continua sendo deles, o Marcos Araújo. Isso só reforça a posição de que eles estão tentando fazer um ataque.”

(O g1 procurou Marcos Araújo, que não respondeu aos contatos).

“Eu fiz uma notificação extrajudicial no dia 17 de dezembro”, afirma o advogado. Ele enviou a notificação ao g1, que alega que o Sevenn lançou seis músicas feitas por Alok:

  • “Boom”
  • “Tam tam”
  • “Beautiful tonight”
  • “BYOB”
  • “BYOB (Sevenn remix)”
  • “It’s always you”

“Em momento algum usaram a via judicial, nem notificação, para fazer valer seu direito. Pelo contrário, vão num meio de comunicação. O que é correto, procurar a justiça ou ir atrás da imprensa para fazer alegações infundadas? Vamos entrar com uma ação por perdas e danos morais e materiais”, ele diz.

“[A acusação deles de que Alok roubou músicas] nunca chegou de forma muito concreta, era sempre de forma velada e especulativa. Mas essa semana chegou uma notificação formal de uma gravadora que teria sido procurada por um repórter da ‘Billboard’. Tentaram entrar no circuito das gravadoras.”

“Eles falam que o Alok não creditou. Se pegar a música com a Juliette (‘El ratito’), há um crédito, ainda que a obra tenha sido alterada. As músicas que nós acionamos, que são também de autoria dele, não há o crédito. Então eles não têm provas nem do que alegam. “

“Eles falam de obras antes do Sevenn existir. Quando saiu “Fuego” [2016] sequer havia vinculação com o Sevenn. O direito autoral tem um vasto campo probatório. Basta mandar documentos que corroboram, e eu tenho certeza que eles não mandaram nenhum papel.”

“Se você for fazer um comparativo de histórias, eu os notifiquei [extrajudicialmente pelo uso das 6 músicas] e eles fizeram ameaças com acusações levianas sem o mínimo de provas.”

É PERMITIDA SUA REPRODUÇÃO PARCIAL COM O SITE CONTILNETNOTICIAS.COM.BR SENDO LINKADO E CITADO.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Receba nossas notícias em seu email

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 6.097 outros assinantes

Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.