32.3 C
Rio Branco
4 julho 2022 4:28 pm

Fora da Paralimpíada, futebol de nanismo busca visibilidade

POR TERRA

Última atualização em 08/06/2022 19:46

O nanismo é um transtorno, com mais de 200 variações, que impacta o crescimento e resulta na altura máxima da pessoa variar entre 1,40 e 1,45 metro. A deficiência é englobada, desde 1976, por algumas das modalidades que integram a Paralimpíada e os Jogos Parapan-Americanos, como atletismo, natação, halterofilismo e badminton.

Nem todos os esportes paralímpicos, porém, contemplam pessoas com nanismo, assim como há modalidades praticadas por atletas com baixa estatura que não fazem parte do programa dos Jogos, o que dificulta, mais que o normal, a busca por visibilidade e estrutura. É o caso do futebol. Por causa da carência de recursos, a seleção brasileira quase não conseguiu disputar a Copa América, realizada no mês passado, em Lima (Peru).

A Copa América de Lima foi a segunda edição do torneio, realizado pela primeira vez em 2018, na Argentina, país onde surgiu a primeira seleção de futebol de nanismo. Os anfitriões foram derrotados pelo Paraguai na decisão, com o Brasil ficando na terceira posição. O duelo se repetiu na final deste ano, agora com triunfo argentino. Os brasileiros caíram nas quartas de final, justamente para os campeões.

O Brasil é um dos países fundadores da FIFTB (sigla em espanhol para Federación Internacional de Futbol de Talla Baja) e responsáveis pela regulação da modalidade, que, apesar de jogada em uma quadra de futsal, tem diferenças para o esporte dito convencional. Ao invés de cinco, são sete atletas de cada lado. Entre os jogadores relacionados, somente dois podem ter altura superior a 1,40 metro (limitada a 1,49 metro), sendo que apenas um deles pode atuar ao mesmo tempo. Os competidores têm de apresentar um laudo médico, respaldado por um geneticista, constatando o tipo de nanismo.

“É uma luta constante. Se não tivéssemos apoio [logístico] da CBF [Confederação Brasileira de Futebol] e [estrutural] do CBCP [Comitê Brasileiro de Clubes Paralímpicos], de última hora, estávamos arriscados a não conseguir viajar”, contou à Agência Brasil o presidente da Associação Brasileira de Esportes para Pessoas com Nanismo (Aben), José Carlos Rosário.

O Brasil é um dos países fundadores da FIFTB (sigla em espanhol para Federación Internacional de Futbol de Talla Baja) e responsáveis pela regulação da modalidade, que, apesar de jogada em uma quadra de futsal, tem diferenças para o esporte dito convencional. Ao invés de cinco, são sete atletas de cada lado. Entre os jogadores relacionados, somente dois podem ter altura superior a 1,40 metro (limitada a 1,49 metro), sendo que apenas um deles pode atuar ao mesmo tempo. Os competidores têm de apresentar um laudo médico, respaldado por um geneticista, constatando o tipo de nanismo.

É PERMITIDA SUA REPRODUÇÃO PARCIAL COM O SITE CONTILNETNOTICIAS.COM.BR SENDO LINKADO E CITADO.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Receba nossas notícias em seu email

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 6.121 outros assinantes

Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.