29.3 C
Rio Branco
26 junho 2022 4:02 pm

Sesacre define ‘portas de entrada’ de urgência para casos de Síndrome Respiratória; entenda medidas

Coletiva de imprensa foi convocada para divulgação da linha de cuidado da Rede de Urgência e Emergência para as Infecções Respiratórias Agudas (IRAs)

POR KATIÚSCIA MIRANDA, PARA CONTILNET

Última atualização em 21/06/2022 16:59

Muitos acreanos ainda têm dúvidas sobre o que fazer e principalmente para onde levar as crianças em casos de doenças respiratórias, comuns nesse período de tempo seco. Para contribuir com a sociedade em geral e com os profissionais da área da Saúde, o chefe da Rede de Urgência e Emergência, Edvan Meneses, esclareceu dúvidas sobre os pontos de atenção dentro dos graus de complexidade para o atendimento às crianças.

“O objetivo da assistência à Saúde é a prevenção, é nas UBSs que estão os ordenadores de serviços. É o principal ponto de apoio para a comunidade. É a atenção básica que vai fazer com que os casos sejam tratados no início e que não evoluam para média ou alta complexidade. Então no início dos sintomas, procure a Unidade Básica de Sáude mais próxima a sua casa”, explicou.

Para os casos de crianças que já tenham sido tratadas por profissionais das UBSs e que os sintomas persistem, a indicação da Sesacre é que as famílias procurem as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs). “São unidades de média complexidade, para atender pessoas que tenham sintomas que não cedem, mesmo com o tratamento já indicado em unidades de assistência à saúde”, enfatizou Edvan.

Entrevista coletiva no Pronto Socorro. Foto Sesacre

Em último caso, quando o caso já apresente sintomas graves, deve ser procurada a unidade terciaria, de alta complexidade. “Todos nós devemos buscar as unidade básicas, para cuidar da nossa saúde, buscar imunização, receber orientações preventivas para toda a família de cuidados com a alimentação, com a saúde mental. Nas UBSs temos uma equipe multidisciplinar para atender a família”, lembrou.

Mas se o caso ficar grave, de acordo com Edvan, os próprios profissionais das que atuam nas UBSs e nas UPAs, são orientados a encaminhar para a unidade terciária, que é de alta complexidade. “Existe uma ordem e essa organização é fundamental para o funcionamento das equipes de Saúde, e essa definição já existe há muito tempo. A população entender essa linha de cuidado é muito importante”, finalizou.

Alerta

A síndrome gripal em crianças evolui mais rápido do que em adultos, de acordo com Edvan Meneses, por isso é importante que os responsáveis não esperem o quadro agravar para levar nas unidades básicas. É a partir das UBSs que o tratamentos das crianças inicia e em caso de evolução, as equipes estão orientadas a encaminhar para os locais onde o atendimento será mais eficiente.

“Não adianta levar a sua criança com sintomas gripais leves para as unidades de urgência e emergência. Elas vão esperar mais pelo atendimento, porque existe uma classificação por nível de complexidade”, orientou o chefe da Rede de Urgência e Emergência da Sesacre.

É PERMITIDA SUA REPRODUÇÃO PARCIAL COM O SITE CONTILNETNOTICIAS.COM.BR SENDO LINKADO E CITADO.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Receba nossas notícias em seu email

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 6.087 outros assinantes

Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.