23.3 C
Rio Branco
9 agosto 2022 9:17 pm

Moisés Diniz declara guerra à esquerda e ameaça jogar ‘histórias’ no ventilador

"Já deu o que tinha que dar esse meu cavalheirismo", diz o presidente do Solidariedade

POR NANY DAMASCENO, DO CONTILNET

Última atualização em 10/07/2022 15:22

Desde que foi convidado a integrar o Governo Gladson, o ex-secretário adjunto de Educação, Moisés Diniz, tem enfrentado a ira dos ex-companheiros de esquerda. Diniz foi do PCdoB por 30 anos e deixou a sigla em 2020, quando se filiou o Progressistas de Gladson. Foram dois anos com Moisés declarando que merecia respeito, e os ex-colegas de lá, afirmando que o ex-comunista havia se vendido.

Com as eleições deste ano batendo à porta, esses ataques ao agora pré-candidato a deputado estadual e presidente do Solidariedade, se intensificam. Após lançar uma nota dizendo que o anuncio de uma possível pré-candidatura de Jorge Viana (PT) ao Governo não passa de blefe, mais uma vez foi massacrado nas redes.

A diferença é que agora Diniz não quer pôr panos quentes na história, declarou guerra aos ex-companheiros e ameaçou jogar ‘histórias’ no ventilador.

“Quero dizer que vocês não vão me calar e vou lutar para que não voltem ao poder os ‘comissários do povo’, que destroem biografias, como fizeram com a Marina em 2018, que agridem quem pensa diferente, que agem como cães de biblioteca, defendendo seus livros de morte da criatividade intelectual, da liberdade de cátedra, de religião e, se pudessem, reprimiam até a liberdade de pensamento (mesmo que fosse só introspecção). Não pensem que vão me amedrontar com tentativas de desqualificação. Cada vez que mandarem os do andar térreo me agredir, vou contar uma história. A próxima será sobre um homem íntegro chamado Sérgio Taboada”, escreveu.

Moisés tem uma longa história com a antiga Frente Popular, foi deputado pelo bloco e diz que durante os 30 anos em que foi oposição, nunca foi agredido pela direita como está acontecendo agora com a esquerda, que aqui no Acre está praticando o que chama de ‘tirania’. “Escrevi e fiz discursos contra posições políticas da direita, nunca contra pessoas. Defendi líderes como Marina Silva, Edvaldo Magalhães, Jorge Viana e Perpétua Almeida, nos momentos em que eles mais precisaram. E nunca fui agredido por militantes de direita. Agora, quando faço uma simples contestação política de posições da esquerda petista, sou visceralmente agredido por petistas e simpatizantes. Atingem minha honra, tentam manchar minha biografia e até descem para o esgoto da humilhação e do sarcasmo. Quero dizer que isso foi feito, contra adversários, no Leste Europeu, na Rússia, na Coréia do Norte e, mais recentemente, na Venezuela. E foram ou estão sendo derrotados, porque isso nunca foi socialismo, foi tirania de esquerda”, asseverou.

E finaliza: “Chega dessa malandragem de vocês acharem que são limpos e puros, quando sabem o que seus líderes fizeram, vivi entre vocês e não me sujei, não brinquem com a honra de quem atravessou esgotos sem se emporcalhar. Já deu o que tinha que dar esse meu cavalheirismo”.

VEJA O TEXTO NA ÍNTEGRA:

O MEDO DA NOITE
NÃO PERMITE ESPERAR
O NASCER DO DIA
Durante trinta anos, eu fui militante da esquerda. Escrevi e fiz discursos contra posições políticas da direita, nunca contra pessoas. Defendi líderes como Marina Silva, Edvaldo Magalhães, Jorge Viana e Perpétua Almeida, nos momentos em que eles mais precisaram.
E nunca fui agredido por militantes de direita.
Agora, quando faço uma simples contestação política de posições da esquerda petista, sou visceralmente agredido por petistas e simpatizantes.
Atingem minha honra, tentam manchar minha biografia e até descem para o esgoto da humilhação e do sarcasmo.
Quero dizer que isso foi feito, contra adversários, no Leste Europeu, na Rússia, na Coréia do Norte e, mais recentemente, na Venezuela. E foram ou estão sendo derrotados, porque isso nunca foi socialismo, foi tirania de esquerda.
Tenho um livro, vários contos e muitos artigos, aonde eu divergia do autoritarismo da esquerda, da falta de liberdade, do desprezo ao transcendente, da agressão ideológica e moral aos adversários, da arrogância filosófica, da autocracia e do nepotismo socialista.
Quero dizer que vocês não vão me calar e vou lutar para que não voltem ao poder os “comissários do povo”, que destroem biografias, como fizeram com a Marina em 2018, que agridem quem pensa diferente, que agem como cães de biblioteca, defendendo seus livros de morte da criatividade intelectual, da liberdade de cátedra, de religião e, se pudessem, reprimiam até a liberdade de pensamento (mesmo que fosse só introspecção).
Não pensem que vão me amedrontar com tentativas de desqualificação. Cada vez que mandarem os do andar térreo me agredir, vou contar uma história. A próxima será sobre um homem íntegro chamado Sérgio Taboada.
Chega dessa malandragem de vocês acharem que são limpos e puros, quando sabem o que seus líderes fizeram, vivi entre vocês e não me sujei, não brinquem com a honra de quem atravessou esgotos sem se emporcalhar.
Já deu o que tinha que dar esse meu cavalheirismo…

É PERMITIDA SUA REPRODUÇÃO PARCIAL COM O SITE CONTILNETNOTICIAS.COM.BR SENDO LINKADO E CITADO.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.