De volta às páginas policiais após duas décadas de muita bravata e enrolação


Outrora pacato, o Acre passou a competir de igual para igual com os estados mais violentos da Nação

Foto capa ARCHIBALDO ANTUNES, DA CONTILNET

Sangue todo dia

Não há um só dia, pelo que sou capaz de lembrar, em que não nos deparamos com pelo menos uma tentativa de homicídio na Capital ou nos municípios do interior do Acre. Enquanto pessoas matam e morrem por motivos banais, inexplicáveis ou mesmo por estar ligadas ao crime organizado, as emissoras de TV martelam a publicidade estatal para nos lembrar que os salários dos servidores públicos estão em dia.

Obrigação

Ocorre que manter em dia os vencimentos dos que compõem o quadro do funcionalismo público estatal não é mais do que obrigação do governo. Assim como combater a violência. Haveria recursos de sobra para as duas coisas não fosse o desperdício de dinheiro público com tantas inutilidades de um governo carcomido pela inoperância.

Inutilidades e cretinices

Enquanto os cadáveres se avolumam e as funerárias lucram como nunca antes neste estado de tantos contrastes e miséria, o governador se encarrega de passear pela Europa, seus subordinados se preocupam em defendê-lo nas redes sociais e a vice-governadora Nazaré Araújo manda conclamar a turma da boquinha para uma inútil – e cretina – caminhada pela paz.

Túnel do tempo

Nos primeiros anos do novo século XXI, o agora senador Jorge Viana – então sentado na cadeira de governador do estado – tratava de alardear que o Acre deixara as páginas de polícia para figurar nas de política dos grandes jornais do país.

De volta para o futuro

O passar dos anos e as barbeiragens cometidas contra o erário público nos reconduziram a um futuro inevitável: Rio Branco figurava até outro dia em 3º lugar no ranking das capitais mais violentas do Brasil. Em suma, estamos de volta ao noticiário policial.

A vida como ela é

Empresas faliram por levar calote do governo e este se dá ao desplante de gastar – diante dos nossos narizes torcidos pelo festival de corrupção ao qual assistimos sob os governos de Lula e Dilma – mais recursos públicos com a propaganda institucional que com as operações das polícias Civil e Militar.

Afrontoso

Ainda assim, desalmados, os companheiros mandam dizer pela TV que eles não são responsáveis pelo tráfico de drogas, como se este fosse restrito às fronteiras abertas aos contrabandistas que pouco se importam se a culpa é do governo federal – atual e anterior – ou se dos petistas do Acre.

A que ponto chegamos!

Tudo atualmente é tratado com tanta displicência e sem o senso do ridículo que temos um pré-candidato ao governo do PT capaz de propagandear as maravilhas de uma BR (a 364) que chegou a inexistir depois de concluída pela quarta ou quinta vez pelo governador em cuja companhia ele evita andar com medo de perder votos.

Ilustre desconhecido

E esse pré-candidato, que até outro dia cumpria as obrigações de prefeito da Capital – cargo para o qual foi reeleito pela população sob a promessa de que nele permaneceria até o último dia de mandato –, agora não sai da região do Juruá, onde nem mesmo de nome era conhecido da maioria dos moradores.

Continuísmo

Candidato do continuísmo, o Sr. Marcus Alexandre age como se fosse a grande novidade da política que em duas décadas nos colocou de joelhos diante da violência galopante.

Blablablá

Como se não fosse parte do staff de um governo cujos caciques formam a nata dos novos ricos deste estado, o petista usa o slogan ‘pé na estrada’ para realçar a humildade com que trilha os caminhos pisados e repisados pela gente pobre da periferia do interior do estado.

Pergunta sem resposta

Indagado, por meio de sua assessoria de imprensa, se defende o legado (seja ele qual for!) do governador Tião Viana, Marcus Alexandre ainda não respondeu ao repórter Salomão Matos. E nem haverá de responder, ora bolas!

Decifra-me ou te devoro!

Da mesma forma como religiosos mais fervorosos costumam não responder à velha questão sobre a capacidade de Deus de fazer uma pedra tão pesada que nem mesmo Ele seria capaz de carregar, a questão formulada por Matos é – digamos – uma ‘pegadinha filosófica’.

Mato sem cachorro

Caso Marcus Alexandre se diga defensor do espólio político do padrinho, ele estaria a endossar os muitos erros da gestão de Tião Viana. O contrário o distanciaria daquilo que eles continuam a defender, apesar de tudo. E é nessas horas que o silêncio é bem mais cômodo que a coragem de dizer a verdade.

Chamando para a si a responsabilidade

Daí chamarmos a atenção do leitor para um detalhe relevante nessa época de tantas omissões – sejam elas retóricas, como a de Marcus Alexandre, ou funcionais, como a do governador Tião Viana: coube à deputada estadual Eliane Sinhasique (MDB) puxar para si a responsabilidade de constituir um fórum destinado a debater a questão da segurança pública.

Protagonismo

E a parlamentar emedebista não fez isso por que quer sobre si os holofotes – ela simplesmente tratou de se tornar protagonista no cenário em que Tião Viana é um mero figurante, sempre obstinado em vaiar o governo Temer – e no qual o Sr. Marcus Alexandre tenta disfarçar o fato de ter como vice aquele que até dia desses era o titular da Secretaria de Segurança Pública do estado.

Pobres de nós

Dias tenebrosos, esses sob os quais vivemos – e em que muitos, coitados, acabam mortos pela violência galopante.

Outras Notícias