33.3 C
Rio Branco
24 julho, 2021 4:27 pm

Por que pessoas com duas doses da vacina da Covid-19 ainda podem contrair a doença?

Especialistas alertam que não há vacina 100% eficaz e que imunizantes protegem contra formas graves da doença

POR O GLOBO, SOCIEDADE

Estudante do 5º ano de veterinária na cidade de Matão (SP), Giovanni Reggi Bortolani, de 22 anos, tomou a segunda dose da vacina CoronaVac no dia 4 de março.

Um mês depois, após um jantar em família em que todos presentes acabariam contraindo a Covid-19 , ele também saiu infectado.

Casos como esse — de pessoas que contraíram a doença mesmo após as duas doses da vacina — vêm causando dúvidas acerca da efetividade dos imunizantes contra o novo coronavírus.

Médicos e especialistas alertam que é sim possível contrair e transmitir a doença, mesmo após 14 dias da aplicação da segunda dose, quando se completa o ciclo de imunização.

Isso ocorre porque as vacinas atualmente disponíveis protegem principalmente contra o desenvolvimento de formas graves da doença, como explica Rosana Richtmann, infectologista do Hospital Emílio Ribas e do comitê de imunização da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI).

— Quando falamos da importância da vacinação não é que a pessoa vai estar totalmente livre de pegar a doença. Mas a chance dela ser internada, intubada e ter complicações cai expressivamente e assim combatemos a pandemia — aponta Richtmann.

'Fui praticamente assintomático. Creio que a vacina ajudou bastante', disse Giovanni Bortolani, que se contaminou mesmo após duas doses da CoronaVac Foto: Divulgação / Infoglobo
‘Fui praticamente assintomático. Creio que a vacina ajudou bastante’, disse Giovanni Bortolani, que se contaminou mesmo após duas doses da CoronaVac Foto: Divulgação / Infoglobo

A especialista ressalta que nenhuma vacina é 100% eficaz. Ela explica que, apesar das diferenças de eficácia das vacinas, todas disponíveis para vacinação atualmente possuem uma proteção para prevenção de casos moderados e graves entre 75-80% com as duas doses.

Um estudo sobre a CoronaVac, por exemplo, feito pelo Ministério da Saúde do Chile, apontou que ela é 67% efetiva na prevenção da infecção sintomática pela doença; 85% para prevenir internações e de 80% na prevenção de mortes pela Covid-19.

Já duas doses da vacina Oxford/AstraZeneca contra a Covid-19 podem ter cerca de 85% a 90% de efetividade contra o desenvolvimento da doença, segundo a Public Health England (PHE).

Além do tipo do imunizante, especialistas explicam que o principal fator que irá determinar o nível de proteção é o próprio organismo do paciente — ou seja, varia de pessoa para pessoa.

Segundo a infectologista da Unicamp e consultora da SBI Raquel Stucchi, basicamente, há três grupos de reações às vacinas: quem desenvolve uma boa formação da imunidade celular e não adoece; aqueles que criam resposta parcial e podem ter casos leves;  e uma minoria que desenvolve poucas células de defesa e pode ter casos moderados e graves.

Negacionistas gaúchos protestam, na capital Porto Alegre, com discurso na contramão da ciência, que tem como o distanciamento social a medida mais eficiente para evitar a disseminação do coronavírus Foto: DIEGO VARA / REUTERS
Negacionistas gaúchos protestam, na capital Porto Alegre, com discurso na contramão da ciência, que tem como o distanciamento social a medida mais eficiente para evitar a disseminação do coronavírus Foto: DIEGO VARA / REUTERS  

Parentes e amigos carregam o caixão durante o enterro de Paulo Carletti, 76, falecido por coronavírus, no cemitério de Belém Novo, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul Foto: Diego Vara / Reuters - 05/03/2021
Parentes e amigos carregam o caixão durante o enterro de Paulo Carletti, 76, falecido por coronavírus, no cemitério de Belém Novo, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul Foto: Diego Vara / Reuters – 05/03/2021 

Aglomeração em bloco improvisado na Avenida Mem de Sá, na Lapa. Na cidade do Rio, o carnaval não teve programação, mas cariocas e visitantes espalharam folia clandestina pela cidade Foto: Alexandre Cassiano / Agência O Globo - 14/02/2021
Aglomeração em bloco improvisado na Avenida Mem de Sá, na Lapa. Na cidade do Rio, o carnaval não teve programação, mas cariocas e visitantes espalharam folia clandestina pela cidade Foto: Alexandre Cassiano / Agência O Globo – 14/02/2021 

— Os pacientes que não desenvolvem imunidade a partir da vacina são na maioria idosos (devido ao processo de envelhecimento natural do sistema imunológico), imunodeprimidos e pessoas com comorbidades como obesidade e diabetes — diz Stucchi.

Faz parte desse grupo, por exemplo, a funcionária do setor de saúde de Franca, no interior de São Paulo, Cacilda Vendramini Ferreira, de 68 anos, que é diabética e hipertensa.

Ela havia tomado a segunda dose em 2 de março e começou a se sentir mal em 10 de abril.  Ficou oito dias internada, cinco deles na UTI, mas não precisou ser intubada.

— Se eu não tivesse tomado a vacina poderia ter sido muito pior — afirma Ferreira.

Outra funcionária do setor de Saúde da cidade, Laudicéia Satler Duarte, 53 anos, tomou a segunda dose no dia 3 de março. No fim de maio seu marido contraiu a doença e ela também se infectou, apresentando sintomas como dor de garganta, sinusite e fraqueza leve.

— Eu achava que não pegaria. Mas acredito que a vacina ajudou a não ter sintomas mais graves — conta.

O imunologista Daniel Mansur, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) explica que quando tomamos a vacina treinamos nossas células para combater o vírus.

Porém, em parte dos casos, as células de defesa treinadas contra o vírus acabam não sendo suficientes para combater o antígeno.

— O vírus não é uma entidade estática. Ele se multiplica, tem seus próprios mecanismos de defesa e vai usar de tudo para continuar se replicando. É uma “corrida armamentista”, e onde tiver menos resistência pode surgir a doença — define Mansur.

Por conta dessa capacidade do vírus de infectar mesmo após a vacinação, a infectologista Raquel Stucchi ressalta que a imunização é também importante para proteger outras pessoas e o próprio sistema de saúde.

— A gente insiste que a vacinação não é um ato individual, mas coletivo. Com muita gente vacinada diminui as internações e tende a diminuir a circulação do vírus. Assim a chance dessas pessoas cujo sistema imunológico não respondeu à vacina adoecerem diminui muito — analisa Stucchi.

Os especialistas alertam ainda para a importância de tomar as duas doses e completar o ciclo de imunização. Atualmente, apenas 11,11% da população brasileira recebeu as duas doses da vacina.

Além disso, destaca Rosana Richtmann, se a pessoa se expõe muito a locais aglomerados, a chance dela se infectar mesmo imunizada também será maior.

— No hospital vejo muitas pessoas que, após 4 ou 5 dias da primeira dose já relaxam e acabam se contaminando e desenvolvendo a doença. Por isso é importante completar a imunização com a segunda dose e seguir usando máscara para proteger a si mesmo e aos outros — recomenda a infectologista.

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.