21 de fevereiro de 2024

Gladson fala sobre polêmica envolvendo Gabriela Câmara e especulações de exoneração da gestora

O chefe do executivo, que nomeou Gabriela para o cargo, explicou que vê a situação como de cunho pessoal

Em uma entrevista exclusiva ao ContilNet, nesta sexta-feira (8), o governador Gladson Cameli se posicionou sobre o caso envolvendo a presidente do Instituto de Terras do Acre (Iteracre), Gabriela Câmara; a mãe da gestora, a deputada Antônia Lúcia; o esposa de Gabriela, Cristian Sales; e o líder do Governo na Aleac, Manoel Moraes; além de uma criança, que é filha do casal.

SAIBA MAIS: Em depoimento, netas de Antônia Lúcia negam abusos e agressões pelo padrasto; confira

Gladson e Gabriela Câmara/Foto: Reprodução

O escândalo tomou repercussão desde que Antônia Lúcia usou suas redes sociais para acusar o genro, filho de Manoel Moraes, de abusar sexualmente da filha de Gabriela. A presidente do Iteracre negou todas as afirmações da mãe e defendeu o esposo, classificando a deputada como “desequilibrada” e de “ciúmes possessivo”.

O chefe do executivo, que nomeou Gabriela para o cargo, explicou que vê a situação como de cunho pessoal. Especulações apontavam que Gladson poderia exonerar a filha de Antônia Lúcia do cargo por conta do escândalo envolvendo a família.

VEJA TAMBÉM: Gabriela quebra o silêncio, defende o marido e diz que filhas foram sequestradas por Antônia Lúcia

“Não tenho nada a dizer de negativo sobre o trabalho que a Gabriela vem desempenhando. Até o momento, estou satisfeito com a forma como ela vem gerenciando o Iteracre. Sendo assim, nada tenho a ver com as questões pessoais dela. O problema que ela está vivenciando com a família é dela”, disse Gladson.

“É claro que, se a situação caminhar para uma decisão judicial, de sentença e julgamento, a posição dela será repensada, mas não é a questão no momento”, continuou.

Gladson desejou que a situação se resolva o quanto antes.

Gabriela Câmara e Antônia Lúcia/Foto: Montagem

“Confesso que tenho acompanhado o caso de longe e me mantido na posição de olhar para a Gabriela como presidente do Iteracre. Qualquer julgamento que escape disso, não é profissional. Mas eu desejo que as coisas se resolvam da melhor forma possível, que toda essa situação seja esclarecida o quanto antes”, finalizou.

Também questionado sobre como essa polêmica impacta a relação do Governo com o líder do executivo na Aleac – o deputado Manoel Moraes, pai de Cristian -, Cameli foi enfático:

“Nada muda”.

Áudio mostra Gabriela Câmara gritando e batendo na filha autista

A reportagem do site O Seringal teve acesso a um áudio que mostra a atual presidente do Instituto de Terras do Acre (Iteracre), Gabriela Câmara, batendo na filha autista e gritando com ela. O tratamento dado à criança e as acusações de suposto abuso sexual contra a pequena estão sendo os motivos de uma confusão entre Gabriela, a deputada Antônia Lúcia (sua mãe), o esposo da presidente do Iteracre, Cristian Sales, e o deputado Manoel Moraes – pai do enteado da menina.

CONFIRA: Áudio mostra Gabriela Câmara gritando e batendo na filha autista; Antônia Lúcia aciona ministros do STF

No áudio publicado pelo Seringal, Gabriela grita com a filha pequena: “Eu quero falar contigo só uma vez”. Ela obriga a criança a repetir o que disse. Aos prantos e com a voz interrompida pelo choro, a menina apresenta dificuldade para falar. Um homem que parece ser Cristian surge e pede para que Gabriela cesse a briga: “Ei, tá bom, Gabriela”.

“Vou falar contigo só uma vez”, continua a filha de Antônia Lúcia ao brigar com a garota. “Calma, filha, só come e dá água pra ela”, volta a dizer o marido para a esposa.

Barulhos que parecem palmadas são registrados no áudio. Em um dado momento, a pequena chama pelo pai, e é repreendida por Gabriela: “Não tem pai, não. Aqui sou eu mesma”.

O homem se mete na discussão outra vez e é interrompido por Gabriela:

“Cala a boca, não te mete, não”.

O áudio e todo teor do processo foram levados pela deputada Antônia Lúcia ao ministro dos Direitos Humanos, Sílvio Almeida, e aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), Rosa Weber e Gilmar Mendes. A parlamentar pede providências para o caso.

PUBLICIDADE